Alberto Menache. Foto: divulgação

A Linx, paulista focada em software para varejo, fechou 2012 com queda nos lucros, mas o balanço não assustou o mercado. Ao contrário: as ações da empresa, que abriu capital no começo de fevereiro, valorizaram 18% desde o IPO, com precificação a R$ 27 por papel, topo da faixa indicativa.

Conforme balanço divulgado pela Linx na quinta-feira, 28, em 2012 o lucro líquido caiu 17,7% sobre 2011, indo a R$ 17,3 milhões, e o lucro líquido de operações continuadas totalizou R$ 22 milhões, queda de 18,5% ano/ano.

Em "balancês", a empresa explicou que "tendo em vista que existem benefícios fiscais que afetam o resultado contábil da Linx, mas não impactam o seu caixa, a companhia entende ser importante utilizar a metodologia do
cálculo do lucro caixa (...), que, no caso, consiste na adição ao lucro líquido das amortizações de intangíveis provenientes de aquisições (tecnologia de aquisições, carteira de clientes de aquisições e acordos de não concorrência) que transitam pelo DRE e não afetam o seu caixa, além do imposto de renda e a contribuição social diferidos".

O lucro caixa referido ficou em R$ 44,8 milhões em 2012, alta de 16,3% sobre os R$38,5 milhões de 2011,

A receita da companhia no ano passado cresceu. O resultado operacional líquido contabilizou R$ 230,9 milhões no ano, 25,2% superior aos R$ 184,5 milhões obtidos em 2011.

O Ebitda somou R$ 64,7 milhões em 2012, alta anual de 14,4%, e o caixa ajustado da companhia foi de R$ 44,8 milhões no ano, 16,3% acima dos R$ 38,5 registrados um ano antes.

O diretor-presidente da companhia, Alberto Menache, avaliou o ano como bom e ressaltou movimentos voltados à expansão do portfólio, como a compra da Compacta, com o que a empresa entrou em sistemas para food services.

“Seguimos no caminho de ampliar o portfólio de soluções aos clientes e na expansão para novas verticais atendidas. Por fim, tivemos o processo de abertura de capital que terminou em fevereiro de 2013 com uma operação extremamente bem sucedida”, analisa.

A empresa, que foi autora do primeiro IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações) da Bovespa em 2013, lidera o setor de soluções de software para varejistas no Brasil, com market share de 29%.

Fatia abocanhada com força do cresimento inorgânico: a compra da Compacta foi a décima realizada pela Linx nos últimos quatro anos.

Desde 2008, quando adquiriu a Quadrant, a companhia paulista não parou mais: com aporte do BNDES, adquiriu CSI, Inter Commerce e Formata, em seguida. Depois, vieram Dia System, CNP e Microvix.

Com isso, o portfólio hoje abrange soluções pra magazines, supermercados, farmácias, lojas de departamentos, setor alimentício, entre outras verticais.

Há pouco, a companhia ampliou ainda mais a oferta ao lançar uma ferramenta de RFID, atendendo a um projeto para a Memove, marca da Valdac Global Brands (VGB), que é cliente da Linx há 11 anos.

A Memove passou a adotar o RFID na cadeia de logística e nas operações de movimentação e controle de produtos nos centros de distribuição (CD).

No projeto, a Linx realizou a integração dos sistemas PDV e ERP com os equipamentos de RFID, ficando também responsável pela consultoria e automação do CD, em São Paulo.
 
Jean Carlo Klaumann, diretor geral da Linx, indica que o sistema de radiofrequência pode ser aplicado a qualquer outra cadeia varejista, especialmente em loja.

“O sistema permite uma nova experiência de compra ao cliente, que pode optar pelo autoatendimento ou a compra direto no caixa” afirma o executivo.

Ainda segundo ele, o RFID também se aplica à gestão do estoque na sazonalidade, informando ao lojista a situação de cada mercadoria desde a chegada no CD até o recebimento e gestão dos produtos na loja, melhorando o planejamento de vendas.

O projeto teve parceria da Haco, fabricante de etiquetas de código de barras e de RFID, e da Synergy, que desenvolve componentes de RFID e RTLS (rastreamento e localização em tempo real por rádiofrequência).

Com mais de 7,5 mil clientes no Brasil, América Latina e Europa, a Linx soma 60 mil PDVs instalados com suas soluções.

A companhia emprega mais de 1,8 mil colaboradores na matriz e filiais, e atua por meio de três unidades de negócio: Linx Sistemas, Linx Telecom e Linx Logística.