A empresa possui quatro centros de distribuição em Cajamar, São Paulo. Foto: divulgação.

A Amazon anunciou que vai começar a entregar no mesmo dia pedidos feitos em regiões do centro expandido da cidade de São Paulo, área localizada ao redor do centro histórico e delimitada pelo chamado mini-anel viário.

Segundo a empresa, o benefício é aplicável a itens selecionados dentro de mais de 30 categorias de produtos, que estarão com a frase “entrega mais rápida: Hoje”, por um frete a partir de R$ 14,90 para membros Prime e R$ 18,90 para os demais clientes.

Depois de escolher o produto, é preciso selecionar o tipo de envio ao finalizar o pedido. Para serem entregues no mesmo dia, as compras precisam ser efetuadas até às 12h daquela data.

Para apoiar a logística de entrega, a empresa possui quatro centros de distribuição em Cajamar, São Paulo. Um deles foi anunciado em setembro de 2020 e é o maior do país.

"Já trabalhamos arduamente para oferecer aos consumidores o tripé seleção, preço e conveniência. Mais que encontrar o produto que quer por um preço competitivo, agora ele começa a receber seus pedidos de forma ainda mais rápida em casa", destaca Mariana Roth, líder de Prime e experiência de entrega da Amazon Brasil.

De acordo com a CNN Brasil, a companhia não é a primeira a fazer isso no Brasil. A Americanas, controlada pela B2W, e o Mercado Livre já fazem entregas no mesmo dia, com modelos parecidos com o anunciado pela Amazon.

A Amazon não abre nenhuma informação relevante sobre sua presença no país (como, aliás, a AWS, seu braço de computação em nuvem), mas, no segundo trimestre de 2020, a empresa acumulou US$ 45,8 bilhões em vendas líquidas globais, a maior cifra de todos os tempos.

Em novembro, a companhia anunciou a abertura de três novos centros de distribuição no país, localizados em Minas Gerais (Betim), Distrito Federal (Santa Maria) e Rio Grande do Sul (Nova Santa Rita).

Durante a pandemia, as entregas rápidas se tornaram essenciais para as varejistas on-line. 

Segundo o site Exame, o Mercado Livre investiu R$ 4 bilhões em logística no Brasil no ano passado, um valor já recorde em relação aos anos anteriores. Para 2021, o valor mais do que dobrou e a empresa projeta investimentos na casa dos R$ 10 bilhões.