Gilmar Batistela.

A Resource IT divulgou investimentos de R$ 40 milhões nos próximos cinco anos em uma nova operação em Fortaleza, no Ceará.

O novo centro começa com 30 colaboradores e a perspectiva de chegar ao dobro até o final do ano. Em 2016, caso se contretizem projetos em vista, a meta é dobrar novamente o número.

Uma eventual operação com 120 pessoas ainda seria pouca coisa no contexto geral da Resource, que emprega 3 mil pessoas em 20 escritórios, mas já estaria taco a taco com os 130 atualmente em Salvador e bem acima dos 25 no Recife – ambas operacionais desde 2012.

O primeiro contrato em Fortaleza é com o Banco do Nordeste, envolvendo prevê serviços de desenvolvimento, evolução, manutenção e suporte de aplicações na área de crédito do banco de fomento, atuante em toda a região.

A Resource não deu maiores detalhes dos valores do contrato, apenas que ele engloba investimentos em pessoal especializado totalmente local, formação, qualificação e infraestrutura.

“O Ceará tem uma força própria com relação ao mercado privado: grandes grupos industriais, redes varejistas etc”, explica Gilmar Batistela, CEO da Resource. “Podemos também contribuir muito com a modernização do serviço público no estado”, agrega.

Atualmente, o Nordeste representa cerca de 8% do faturamento da Resource, que em 2014 foi de R$ 415 milhões (a porcentagem representa R$ 33,2 milhões). Para este ano, a Resource espera crescer cerca de 8% para R$ 450 milhões. 

A participação nordestina pode ser maior, uma vez que no último ano o faturamento por lá quadruplicou.

A Resource IT pretende participar do Programa de Apoio a Parques Tecnológicos e Criativos de Fortaleza, ou ParqFor, programa de incentivos fiscais para empresas de tecnologia se instalem no centro histórico da capital cearense 

O programa, aprovado no começo do ano, inclui redução de até 100% no IPTU, em até 60% do ISSQN e até 100% no ITBI. Entre as contrapartidas exigidas estão o desenvolvimento de projetos de inclusão digital e de revitalização dos espaços.

Há ainda a possibilidade de firmar parcerias com instituições de ensino superior da cidade para qualificar egressos de cursos de TI. 

No final do ano passado, a Softtek anunciou a criação de um centro global de entrega de serviços em Fortaleza, com a meta de empregar 1,7 mil pessoas até 2018, tornando-se o maior da empresa no país.

O centro é resultado de uma parceria com a Universidade de Fortaleza (Unifor), universidade privada com 25 mil alunos controlada pelo poderoso grupo Edson Queiroz, além das prefeituras de Fortaleza e do governo do Ceará.

O governo cearense vai bancar bolsas-auxílio para os estudantes durante o processo de treinamento, máquinas e equipamentos, incentivos fiscais, além de investir e financiar projetos de P&D, explica a Softtek em nota, sem abrir valores. 

A chegada de empresas como Resource IT e Sofftek marca a sofisticação no tipo de empreendimentos tecnológicos que o Nordeste, e o Ceará em particular, tem conseguido atrair. 

Em julho, a prefeitura de Fortaleza e a Angola Cable, consórcio de telecomunicação formado por operadoras angolanas, assinaram nesta um contrato que prevê a criação de um data center de cerca de três mil metros quadrados.

Ele estará ao lado de um cabo transatlántico ligando o Brasil a Angola (a localização de Fortaleza, uma das capitais brasileiras mais próximas da África faz dela o destino ideal para esse tipo de investimento) a partir do qual a meta é criar um hub de telecom.