CATARATAS

Plano de levar data centers para Foz ainda existe

01/11/2019 14:16

Projeto oriundo do governo Dilma Rousseff faz sua primeira aparição na era Bolsonaro.

Bom lugar para colocar alguns data centers, certo? Foto: https://www.flickr.com/photos/deniwlp84

Tamanho da fonte: -A+A

O projeto de transformar Foz do Iguaçu em uma espécie de "zona franca de Manaus" para datacenters no Brasil segue vivo.

A ideia, que foi apresentada pela primeira vez em 2015, ainda durante o governo Dilma Rousseff, tendo feito algumas aparições esporádicas na gestão Michel Temer, teve a sua primeira menção pública na administração Jair Bolsonaro nesta semana.

O tema foi abordado pelo secretário de Telecomunicações do Ministério de Ciência e Tecnologia, Vitor Elisio de Menezes, durante a Futurecom, mega evento de telecomunicações que aconteceu esta semana em São Paulo.

Segundo revela o site Convergência DIgital, Menezes teria dito que o tema está em negociação, sem mencionar prazos.

Como desde o começo, a ideia é que os datacenters estabelecidos na região sejam incluídos em uma classe especial de consumo de energia, o ativo mais caro na sustentação do negócio, além de redução de ICMS e facilitação na importação de equipamentos.

“O Brasil, hoje, não é um país atraente para os data centers. Nós perdemos qualquer disputa com outros países da região. E essa equação precisa mudar", afirma Menezes.

O país parece estar inaugurando um novo tipo de política de estado, no qual sucessivas administrações sabem que algo precisa ser feito, dizem estar interessadas em fazê-lo, mas nada de especial acontece.

A primeira movimentação em torno do projeto aconteceu em janeiro de 2015, quando Ministério das Comunicações, a Itaipu Binacional e a Fundação Parque Tecnológico Itaipu-Brasil assinaram um acordo de cooperação para criar um “condomínio de data centers” no parque tecnológico localizado dentro da usina hidroelétrica.

Na época, uma nota divulgada por Itaipu já desenhava o projeto em linhas gerais. 

Itaipu deveria realizar estudos de viabilidade de energia elétrica para os projetos selecionados e oferecer local físico para a implantação dos data centers.

De acordo com números de 2012, Itaipu sozinha é responsável 17,3%  de  toda  a energia consumida pelo Brasil. 

Custos de energia normalmente respondem por cerca de um terço da conta de um data center. Em outros países é comum centros de dados se instalarem próximos a geradores de energia como uma maneira de obter descontos.

Uma iniciativa em Foz poderia tornar o Brasil um destino mais atrativo para os data centers de grande escala.

O Google, por exemplo, instalou uma estrutura do tipo em Quilicura, na região metropolitana de Santiago, a capital do Chile.

No ano passado, o Google anunciou uma ampliação, com o investimento de US$ 140 milhões para triplicar a estrutura para espaço de 11,2 hectares. Cada hectare equivale a um campo de futebol dos grandes.

Veja também

DECISÃO
Oi vai vender data centers

Medida deve afetar pelo menos uma dezena de centros de dados espalhados pelo Brasil.

DATA CENTER
Abela, ex-Tivit, está na Ascenty

O profissional passou os últimos 18 anos na Tivit, onde chegou a ser executivo sênior.

VAGAS
Oracle: 2 mil contratações em cloud

Profissionais serão contratados nos Estados Unidos e Índia. Pode ser que também no Brasil.

INFRAESTRUTURA
Unoeste renova data center com Lenovo

Projeto envolve hardware da Lenovo e soluções da Microsoft e da Veeam.

NUVEM
Claro comprou 40% da Ustore

Negócio foi feito com discrição. Tecnologia de multicloud da Ustore é um ativo quente.

ESTATAIS
Serpro: mercado privado e IPO

Presidente do Serpro anunciou planos ousados em entrevista à Reuters.

CHIPS
Troca de comando no TI da Ceitec

Ireneo Demanarig não é mais CIO da estatal de chips instalada em Porto Alegre.

NUVEM
Sabemi vai migrar data center secundário para Azure

A Cloud2Go será a responsável pelo projeto.

INFRA
Bludata tem 1° data center Tier 3 de Santa Catarina

É também o segundo da região Sul. Grande maioria dos DCs desse tipo fica em São Paulo.