Praia Grande inaugurou o Centro Integrado de Controle e Operações Especiais. Foto: Marcelino Silva/MSCom Mídia.

O município de Praia Grande, no litoral paulista, remodelou seu projeto de monitoramento urbano e inaugurou o CICOE-PG (Centro Integrado de Controle e Operações Especiais).

Com o CICOE, o sistema passou a ter um controle integrado, ampliando a estrutura que era de quatro operadores por plantão, para 12 novas posições de observação 24 horas por dia. 

O trabalho tem foco nas ocorrências e auxílio às equipes de rua, reunindo agentes de trânsito, guarda municipal, polícia militar e ambiental, defesa civil e fiscais que monitoram invasões em áreas de proteção ambiental. 

As áreas de preservação possuem câmeras speed domes (que se movimentam em 360 graus) em postes de 20 metros de altura e conexão wi-fi.

No centro também foi construída uma sala para reunir autoridades em casos de calamidades e emergências. 

Antes da atualização do projeto, o monitoramento urbano do município de Praia Grande, inaugurado em 2002, contava com 16 câmeras speed domes e outras 160 câmeras fixas. 

Hoje o centro conta com um painel vídeo wall interno com 24 monitores de 55 polegadas de alta definição, cerca de 1,5 mil câmeras fixas e outras 80 speed domes espalhadas pelas ruas. Assim, o CICOE observa mais de 100 unidades municipais (escolas, prédios, hospitais, parques e praças), além de vias, centros comerciais e a orla da praia.

Praia Grande possui cerca de 288 mil habitantes, distribuídos em 32 bairros e 147 km² de área. Durante o verão, a cidade pode chegar a mais de 1 milhão de pessoas. 

O Digifort, software de monitoramento IP, provê tecnologia de vigilância urbana há mais de dez anos ao município. 

“O software não tem limites de câmeras por servidor e por usuários cadastrados. Seguindo as regras definidas para cada tipo de acesso, isso permite que diretores de escolas, secretários municipais e outros profissionais com posição estratégica dentro da municipalidade consigam acessar o sistema sem a necessidade de estarem presencialmente no CICOE”, explica Sandro Pardini, chefe do Departamento da Integração da Informação de Praia Grande.

Com isso, cada unidade municipal pode ter uma rotina de segurança adaptada à realidade do seu dia-a-dia, por meio dos módulos analíticos de vídeos, alarme e automação, biometria, LPR (Leitura de Placas de Automóveis) e evidence. 

“Estes recursos do Digifort possibilitam gerenciar alarmes, sensores de presença, botões de pânico, cercas virtuais, delimitar perímetros na cidade, observar objetos colocados ou retirados de certos locais, controlar excessos de velocidade, armazenar imagens, registrar, arquivar e consultar ocorrências, entre outras demandas. Tudo pode ser administrado dentro do CICOE ou à distância”, completa.

O sistema trafega dados, voz e imagens por uma rede de fibra óptica com 300 quilômetros de extensão. 

“Temos um storage de 330 terabytes para armazenar imagens no CICOE, os switches dos próprios municipais operam em gigabyte e são convergentes para outros serviços que a administração municipal e a população recebem em tempo real, como acesso à internet, telefonia, matriculas escolares, distribuição de remédios, agendamento de consultas, prontuários médicos e documentações”, concluiu Pardini.