Carlênio Castelo Branco, CEO da Senior.

A Senior fechou o ano passado com um faturamento de R$ 464 milhões, uma alta de 8% em relação a 2019.

A empresa destacou o crescimento do negócio de nuvem, que chegou a R$ 69,6 milhões, uma alta de 65%, com meta de crescer outros 50% em 2020.

O carro chefe da empresa sediada em Blumenau são as soluções de RH, que tiveram faturamento de R$ 182,2 milhões, seguindo de sistemas de gestão, com R$ 161,4 milhões.

O resto está dividido entre acesso e segurança e soluções mais específicas como gestão de supermercado, construção e logística. 

A empresa acelerou um pouco mais no último trimestre do ano, quando o crescimento foi de 18,4%.

Uma novidade em 2020 foi o lançamento do ERP senior X, 100% cloud e pronto para atuar com sistemas especialistas e startups. 

“Os números alcançados nos levam a crer que em 2021 nosso desempenho será ainda mais promissor”, avalia o CEO da Senior, Carlênio Castelo Branco.

A meta da Senior é atingir R$ 500 milhões em 2021, dobrando o número para um faturamento de R$ 1 bilhão até 2023.

Parte do crescimento deve vir de aquisições. A Senior já comprou 21 empresas ao longo da sua trajetória, iniciada em 1988. 

Em janeiro, a empresa comprou a colombiana Novasoft, uma companhia com uma oferta de software de gestão similar à dos brasileiros, incluindo ERP e RH.

Sediada em Bogotá, a Novasoft tem cerca de 2 mil clientes, 150 funcionários e 20 canais de distribuição na Colômbia, cifras que a tornam uma das maiores empresas de ERP colombianas.

“O objetivo é diversificar a receita e expandir mercado em uma das principais economias da América Latina. A presença na Colômbia também abre oportunidades de novos negócios na região andina”, explica Branco.