Padaria entregará nas residências que estiverem a 1 quilômetro de uma loja. Foto: Divulgação

A rede de padarias Pão To Go, de São Carlos, interior de São Paulo, decidiu testar o uso de um drone para entregar pães pela cidade. 

O novo modelo de negócios, criado pelo empresário Tom Ricetti, tem como foco as cidades do interior do país. A unidade em São Carlos foi a primeira a contar com o novo sistema.

Os consumidores que estiverem no raio de 1 quilômetro de uma loja da rede poderão receber em seus quintais o tradicional pão francês e outros produtos oferecidos pela rede.

Os primeiros testes foram satisfatórios, mas para colocar a novidade em prática será preciso aguardar uma autorização do governo, já que não existe no Brasil uma lei que regulamente o uso desse tipo de aeronave. Por isso, já foi feito o pedido e é aguardada uma regulamentação por parte da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

O empresário conta que se inspirou ao ver uma reportagem sobre a gigante do varejo on-line Amazon e a rede americana de pizzarias Domino’s, que anunciaram o interesse em usar aviões não tripulados para entregar produtos aos clientes. 

Em seguida, Ricetti adquiriu um aparelho que voa com seis hélices e pode transportar até 3,5 quilos. A aeronave não deverá aterrisar na casa do comprador, mas soltar a encomenda a, no máximo, 3 metros de altura, numa embalagem que não prejudique a mercadoria.

As entregas, em um primeiro momento, se resumiriam a regiões no entorno da padaria e a produtos sólidos, como pães e bolos. O serviço também será voltado a condomínios, por medida de segurança, já que existe o receio de que o aparelho seja derrubado ao descer em áreas comuns.

Anteriormente, a rede de padarias já havia lançado um sistema de drive-thru para os clientes, além de realizar entregas via moto boy. Atualmente, a pararia conta com 112 franquias no Brasil, Estados Unidos e Argentina. 

O investimento inicial para abrir uma franquia gira em torno de R$ 180 mil e, de acordo com o proprietário da rede, o retorno pode acontecer em até um ano a partir do funcionamento do negócio.

Em 2013, a Pão To Go teve um faturamento estimado em R$ 3,2 milhões, e prevê um pulo para R$ 40 milhões em 2014.

Ainda que não existam estimativas oficiais sobre o tamanho do mercado de drones no Brasil, mas a Gohobby, distribuidora de algumas marcas de drones no país, revela que vende cerca de 200 aparelhos “menos sofisticados” - com valores que variam entre R$ 4 a R$ 6 mil - mensalmente.

Além disso, a distribuidora contabiliza a comercialização de cinco dispositivos mais robustos, que podem custar algo na faixa R$ 150 mil, ao mês.

Nessa linha, a Amazon já se manifestou e cogita o uso da tecnologia para entregar encomendas de produtos vendidos em seu e-commerce. O projeto [ainda] não avançou porque, entre outros fatores, o governo norte-americano pretende regulamentar a utilização não-militar desses aparelhos.

A aplicação da tecnologia já tem alguns casos emblemáticos, inclusive no Brasil. No começo do ano, por exemplo, criminosos usaram drones para despejar drogas no pátio de um presídio no interior de São Paulo.

Outra aplicação criativa dessas ferramentas em solo nacional foi durante o carnaval, durante a cobertura de desfiles de escola de samba.

Confira o vídeo da aplicação em teste: