Processadores baseados em tecnologia da ARM são usados no Google Glass.

A ARM, que tem seus chips em mais de 90% dos celulares, está se preparando para o novo grande negócio das indústrias: os wearables.

A empresa afirmou nesta segunda-feira, 02, que está construindo um centro de design em Taiwan, o quatro maior da companhia, para desenvolver chips para acessórios como relógios e óculos, e para dispositivos eletrônicos que se conectam uns com os outros e com a internet, seguindo a tendência da Internet das Coisas (IOT, na sigla em inglês).

Segundo o ComputerWorld, o segredo para o sucesso desses produtos está na duração da bateria e “invisibilidade”. Por isso, a ARM está buscando o desenvolvimento de pequenos processadores que se encaixem no perfil.

Os novos processadores e microcontroladores estão sendo desenvolvidos para toda a gama de wearables, desde os pequenos dispositivos de armazenamento de dados, até wearables sofisticados, como smartglasses, que exigem mais poder de processamento.

Muitos processadores baseados nas arquiteturas da ARM já são usados em dispositivos de fitness, relógios inteligentes, monitores de sinais vitais e também os óculos para esqui Airwave 1.5, da Oakley. 

Os processadores em desenvolvimento poderão ter um consumo na casa dos nanowatts, muitas vezes inferior ao dos chips atuais. Eles serão úteis em wearables que se adaptam mais facilmente ao corpo, disse Noel Hurley, gerente geral de processadores da ARM.

"Os wearables não são apenas sobre os consumidores e seu entretenimento. Nós também estamos vendo as tendências no mercado profissional, e há enormes oportunidades em saúde, segurança, logística e edifícios”, afirmou Hurley.

Segundo a Juniper Research, o segmento do varejo vai atingir um faturamento de US$ 19 bilhões com os dispositivos vestíveis até 2018. A receita de 2013 ficou em US$ 1,4 bilhões.

A ARM licencia o design de seus processadores para as fabricantes de chips, que os utilizam em wearables e outros dispositivos. 

Processadores baseados em tecnologia da ARM são usados em wearables como o Google Glass e nos smartwatches da família Gear, da Samsung. 

A ARM oferece aos fabricantes de aparelhos a plataforma de desenvolvimento Mbed, em que eles podem misturar componentes, opções de conectividade e sistemas operacionais para chegar a uma solução sob medida.