Novo Partec Green ficará junto ao atual Partec. Foto: divulgação.

Acabam de começar as obras do Partec Green, um prédio de 11 andares que deve agregar mais 21 mil metros quadrados de área disponível para empresas no Tecnosinos, parque tecnológico da Unisinos, universidade localizada em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre.

A obra é um investimento de R$ 30 milhões e deve ser entregue pela HLAR, construtora do GrupoHerval, em 30 meses, até o segundo semestre de 2017. 

São investidores na obra a SKA, que deve transferir sua sede para o último andar do novo prédio e o diretor da GVDASA, Gilmar Piaia, e o diretor administrativo financeiro da SKA, Tiago Wolfarth, como pessoas físicas.

A SKA já havia investido (junto com outras empresas do Tecnosinos como Meta, Altus e Digistar) na construção do Partec 1, inaugurado em 2008 com uma área de de cerca de 7 mil metros. Hoje o prédio é ocupado por companhias como HCL, Accera e Bosch.

O novo prédio, além de três vezes maior, terá como diferencial a certificação verdade Leed, que atesta que a obra e a construção resultante estão adequados a padrões de sustentabilidade, incluindo descarte de resíduos e reaproveitamento de água e uso inteligente de energia.

No verão, por exemplo, o consumo de energia com ar condicionado deve ser 40% devido a medidas  como o posicionamento estratégico das janelas. 

Caso se confirme a certificação ao final da obra, será o terceiro prédio do gênero no Rio Grande do Sul, depois do centro de desenvolvimento e suporte da SAP, também localizando no Tecnosinos, e um edifício de escritórios na Carlos Gomes, em Porto Alegre.

O Partec Green terá ainda três andares subterrâneos de estacionamento, com quase 400 vagas. Além disso, serão criadas quatro salas comerciais e um restaurante de quase 500 metros quadrados na entrada.

A HLAR está trabalhando com imobiliárias do Vale do Sinos para captar investidores interessados em adquirir a partir de meio andar. A SKA, Wolfarth e Piaia terão quatro pavimentos para locação.

Ao que parece, trata-se de uma oportunidade única. O Tecnosinos foi eleito no ano passado como melhor parque tecnológico do Brasil pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Em 2013, o parque divulgou uma meta de chegar a 200 empresas abrigadas até 2019, quase o triplo das 75 abrigadas naquele momento.

No entanto, o parque não oferece muito espaço disponível no Tecnosinos. A Unisinos encontra-se na fase final da ampliação da incubadora de empresas Unitec, mas ele é destinado apenas a negócios nascentes.

No começo do ano passado, a Unisinos anunciou o começo da construção das chamadas Innova Towers, um conjunto de seis prédios a serem construídos ao longo dos próximos seis anos com um investimento de R$ 60 milhões vindo de investidores privados. 

Um prédio deveria estar pronto até o final de 2014, mas nada aconteceu. Segundo a reportagem do Baguete pode averiguar, o investidor privado seria Orivaldo Goldani, dono da rede de postos de combustíveis Rede Energia.

Goldani, no entanto, está investindo no momento na construção de outros prédios na cidade, o que pode indicar que o projeto Innova Towers está engavetado ou posposto, pelo menos por agora.