CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL

Stefanini investe em idiomas para funcionários

02/10/2013 10:09

Serão 12 idiomas disponíveis para os colaboradores. Foto: flickr.com/photos/chenvision.

Tamanho da fonte: -A+A

A Stefanini investirá R$ 200 mil anualmente para capacitar seus 2,5 mil colaboradores em 12 idiomas diferentes.

O número de envolvidos é mais do que o dobro da primeira fase iniciada em 2010, que contou com a participação de 1 mil profissionais.

O foco da multinacional é no ensino de inglês britânico e americano, português e espanhol. Porém, francês, chinês, alemão, grego, italiano, japonês, coreano e sueco também devem entrar no currículo. 

Com o objetivo de proporcionar a atualização e a especialização profissional de seus colaboradores, a empresa optou pelos idiomas para o melhor atendimento de projetos globais. 

“A Stefanini é a 3ª empresa mais internacionalizada segundo o ranking da Fundação Dom Cabral, a internacionalização é um fator determinante para colocarmos como prioridade o investimento em língua estrangeira para nossos colaboradores”, afirma Carla Rossi, gerente executiva.

Segundo Carla, o conhecimento em outros idiomas é um dos principal gargalos para o crescimento do mercado de TI no Brasil. O projeto que incentiva o aprendizado de línguas tem parceria com a Rosetta Stones e o Universia

Nessa nova etapa, as aulas são virtuais e os colaboradores devem se inscrever e aguardar a aprovação da gestão e do RH. Além disso, é preciso ter mais de seis meses de empresa e fazer uso do idioma escolhido nas suas atividades diárias.

A Stefanini é a terceira empresa mais internacionalizada do Brasil, atrás apenas de JBS e Gerdau, de acordo com um levantamento da Fundação Dom Cabral divulgado em agosto.

O índice de internacionalização da empresa brasileira de TI é de 49,6%. A JBS fica com 58,9% e a Gerdau com 54,2 %.

A Stefanini afirma ter sido a primeira empresa brasileira de TI a abrir uma filial no exterior, com a inauguração da operação argentina em 1996.

Desde então, abriu filiais no Chile e no México, em 2000; no Peru, na Colômbia e nos Estados Unidos em 2001; na Espanha, Portugal e Itália, em 2003; no Reino Unido e na Índia, em 2006, e no Canadá em 2008.

Em 2010, a consultoria deu um salto nesse processo com a aquisição de duas empresas nos Estados Unidos (Tech Team e CXI) e uma na Colômbia (Informática & Tecnologia), passando a atuar em 27 países, contra os 19 anteriores.

Nos últimos anos, a empresa incrementou ainda mais sua presença abrindo centros de desenvolvimento em países como China e Filipinas.

Veja também

DOM CABRAL
Sul e TI bem na internacionalização

Região tem nove companhias em ranking de transnacionais da Fundação. Já o setor de TIC figura com seis empresas. 

EXPANSÃO DA OFERTA
Stefanini foca centro de MG em SAP

Parceria aumenta e oferta cresce, incluindo serviços e soluções para Hana.

GLOBALIZAÇÃO
Stefanini faz mais uma compra nos EUA

É a décima compra da empresa paulista desde 2009, a quinta no exterior e a terceira nos EUA.

BAD
TI tem o 3º melhor inglês

Os profissionais da área ficam atrás apenas da área de  Defesa e Aeroespacial e de Recursos Humanos.

FOLLOW THE SUN
Stefanini: sistema para desenvolvimento global

Metodologia da Stefanini é organizada em três pilares:  ALM, PPM e AMS.

MUNDO AFORA
Stefanini é a 3º mais internacional do Brasil

Empresa tem índice de internacionalização de 49,6% e fica atrás apenas de JBS e Gerdau, aponta levantamento da Fundação Dom Cabral.

ITIL
Stefanini: suporte unificado na Gol

De acordo com nota da Stefanini, o projeto reduziu em mais de 30% os custos com a sustentação e infraestrutura.