HPE está transferindo suas operações para Houston, no Texas. Foto: Pexels.

A HPE decidiu mudar a sua sede de San Jose, no Vale do Silício, para os arredores de Houston, a maior cidade do Texas e a quarta maior dos Estados Unidos.

Com a mudança, as operações corporativas da HPE ficarão em Houston, e a parte técnica em San Jose, onde ficam ainda o negócio Aruba, a parte de storage e os funcionários que não queiram se mudar.

Em uma nota, o CEO da HPE, Antonio Neri, justificou a decisão citando as adaptações necessárias ao aumento do número de funcionários trabalhando em casa, assim como as possibilidades de contratações mais “diversas” em Houston.

Está claro também que há menos disputa por profissionais em Houston, uma cidade que além disso tem custos muito menores que San Jose. 

Segundo dados citados pelo The Register, o custo do aluguel é a metade na cidade texana e o custo de vida em geral é 33% menor.

É de todas formas uma decisão chamativa. A HP, companhia da qual a HPE descende, foi fundada em 1939 em uma garagem de Palo Alto, cidade vizinha a San Jose no Vale do Silício.

A HP é uma das fundadoras de toda a mitologia relacionada com empresas criadas em garagens da região, que inclui também nas gerações seguintes Intel, Apple, Google e um longo etc.

A decisão da HPE não acontece num vácuo. Há algum tempo começam a surgir indícios de que o Vale do Silício, um sinônimo de inovação (pensem em todos os outros lugares que se chamam Vale de Alguma Coisa), está entrando em decadência.

Um dos principais problemas é o aumento do valor dos aluguéis. Em São Francisco, a maior cidade do Vale, um apartamento de um quarto custa em média US$ 3,700 por mês, o que acaba inflacionando os salários que precisam ser pagos para atrair profissionais.

Com a crise do coronavírus, muitas startups aproveitaram para oferecer incentivos para quem quisesse trabalhar de casa, se essa casa fosse em outro lugar com um aluguel mais barato.

Uma matéria da Bloomberg aponta que desde o início da pandemia os aluguéis caíram em média 7%.

Já o Texas, um estado mais amigável para corporações que a Califórnia, vem colhendo parte dessa movimentação. O estado é outra potência econômica, sendo sede de cerca de um décimo do ranking Forbes 500.