ECONOMIA

Brasil registra pior PIB da história em 2020

03/03/2021 16:14

Com queda de 4,1% em relação a 2019, o desempenho negativo do indicador foi liderado pelo setor de serviços.

O PIB do Brasil ficou em 21º lugar em ranking produzido por agência de classificação de risco que analisou 50 países. Foto: Paula Fróes/GOVBA.

Tamanho da fonte: -A+A

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) acaba de divulgar nesta quarta-feira, 3, que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020 foi o pior já registrado série histórica, iniciada em 1996, com queda de 4,1% em relação a 2019, somando R$ 7,4 trilhões de todas as riquezas do país.

Mesmo com a elevação de 3,2% no quarto trimestre de 2020 ante os três meses imediatamente anteriores, este cenário econômico já era esperado por analistas em decorrência da pandemia da Covid-19. No início da pandemia, o mercado cogitou queda de até 9% na economia do país. 

De acordo com o economista e professor da Unisinos Guilherme Stein, mesmo com a flexibilização do distanciamento social e a implementação do auxílio emergencial reaquecendo a atividade econômica, a melhora do desempenho no segundo semestre foi insuficiente para reparar as perdas do primeiro semestre do ano. 

O desempenho negativo do PIB em 2020 foi liderado pelo setor de serviços, que teve retração de 4,5% diante da queda da demanda devido ao fechamento temporário de estabelecimentos como forma de conter o coronavírus. 

Dentre os principais destaques negativos estão o comércio (-3,1%) e transporte, armazenagem e correio (-9,2). A indústria enfrentou escassez de matéria-prima e recuou 3,5%, a construção caiu 7% e a indústria de transformação, 4,3%. 

Já a agropecuária, marcada por safra e preços recordes dos grãos, cresceu 2%.

No âmbito de demanda, o destaque negativo está no consumo das famílias que caiu 5,5%, a maior queda desde 1996. Ainda, no comércio exterior, as exportações recuaram 1,8% e as importações 10%. 

A pandemia não afetou apenas o PIB brasileiro. O país ficou em 21º lugar em ranking produzido pela agência de classificação de risco Austin Rating. Apenas Taiwan, a China e a Turquia cresceram em 2020, enquanto 47 economias se retraíram. 

Porém, quando analisados os países do Brics, grupo de economias emergentes composto pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o Brasil foi o que se saiu pior. 

Para o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, o problema é estrutural do país: o Brasil tem nível baixo histórico de investimento em relação ao PIB e após a recessão entre 2015 e 2016, a economia brasileira vinha em retomada lenta entre 2017 e 2019, o que fez com que a pandemia impactasse mais o PIB em 2020.

Veja também

ECONOMIA
PIB brasileiro cresce 1,1% em 2019

Setor de serviços foi puxado pelas atividades de informação e comunicação, que incluem TI.

COVID-19
Luiza Trajano lança movimento para acelerar vacinação

Segundo o Estadão, empresas como Suzano, Gol, Whirlpool e Volkswagen já aderiram.

RITMO
Meta cresce 56%, mesmo com pandemia

Companhia manteve ritmo acelerado de crescimento e ainda contratou 432 profissionais.

QUEDA LIVRE
PIB brasileiro deve cair 9,1% em 2020

Projeção do FMI piorou quase quatro pontos percentuais desde a última atualização, em abril.

FUTURO
Como vai ser o Brasil pós-Covid-19?

Dennis Herszkowicz e Laércio Cosentino falaram de recuperação durante o TOTVS Talks Live.

MOBILE
Coronavírus interrompe produção de celulares

Falta de componentes chineses atingiu fábrica da Motorola e da Samsung no Brasil.

EXPECTATIVA
Setor de TI deve crescer 20% em 2020

Especialista alerta, no entanto, que nem todos vão se dar bem.

CRISE
Brasil: fantasma da recessão voltou

Preocupante: em uma semana o país pode entrar oficialmente na chamada recessão técnica.

RESULTADO
Setor eletroeletrônico cresce 7% em 2018

Os dados foram divulgados pela Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica).