A Apple planeja usar seus próprios chips em computadores Mac. Foto: Pexels.

A Apple planeja usar seus próprios chips em computadores Mac a partir de 2020, substituindo processadores da Intel.

De acordo com fontes da Bloomberg, a iniciativa foi batizada de Kalamata e ainda está nos primeiros estágios de desenvolvimento. 

O movimento faz parte de uma estratégia maior para fazer com que todos os dispositivos da Apple - incluindo Macs, iPhones e iPads - trabalhem de forma mais integrada.

A mudança será um golpe significativo para a Intel, que ajudou a reviver o sucesso do Mac no início da parceria e ganhou laços com uma das principais marcas de eletrônicos. A Apple fornece à Intel cerca de 5% de sua receita anual hoje, segundo a análise da Bloomberg.

Para a Apple, a mudança deve ser um momento decisivo. Os chips da Intel são um dos únicos principais componentes projetados por outras empresas dentro do portfólio de produtos da Apple. Atualmente, todos os iPhones, iPads, Apple Watches e Apple TVs tem seus principais processadores projetados pela Apple e baseados na tecnologia da Arm Holdings. 

Utilizar seus próprios chips nos Macs pode permitir que a Apple lance novos modelos de acordo com sua determinação de tempo, em vez de confiar no período de trabalho da Intel.

O The Register, no entanto, lembra que já relatou intenções da Apple de utilizar chips baseados na tecnologia da Arm em Macs no final de 2017, no início de 2017 e até mesmo em 2012, mas que não foram concretizadas.

Para a publicação, o próximo estágio da empresa é a criação de um processador capaz de atingir os níveis de desempenho exigido por desktops e workstations e portar aplicativos ou emular o x86 bem o suficiente para executar o código existente na arquitetura do host.

O portal reforça que a Apple tem experiência nisso, executando aplicativos PowerPC em x86 Intel Macs, por exemplo, através do kit de ferramentas Rosetta.