O Google Enterprise agora se chama Google for Work. Foto: l i g h t p o e t/Shutterstock.com

O Google Enterprise agora se chama Google for Work. A mudança no nome, além da marca, aponta um novo direcionamento para a empresa de Mountain View, que vê no mercado corporativo um componente fundamental de seus negócios.

Há cerca de dez anos oferecendo soluções para empresas, desde o Gmail, Google Docs, até recursos mais recentes como o Drive, a empresa planeja com o reposicionamento crescer seu faturamento com corporativo de 1% para 5% da receita total. Em 2013, a empresa faturou US$ 59,73 bilhões, 90% deles vindos de publicidade.

A postura mais agressiva chega em um momento em que clientes como Microsoft, IBM, Oracle e SAP também se posicional de maneira mais firme na oferta de soluçoes empresariais na nuvem.

Para o Google, o a ideia é aproveitar a maior familiaridade das empresas em geral com o conceito de computação em nuvem, e aproveitar a força da marca Google neste setor.

"Somos uma empresa nascida na nuvem e isso faz muita diferença", disse Rajen Sheth, gerente de produtos do Google for work ao Valor

No caso do Brasil, a perspectiva para a adoção de produtos como o Google Apps é animadora. Segundo a consultoria Frost & Sullivan, os investimentos nestes produtos devem subir de US$ 330 milhões em 2013 para US$ 1,1 bilhão em 2017.

Globalmente, até 2017 o segmento corporativo deve movimentar cerca de US$ 250 bilhões, US$ 100 bilhões a mais do que foi registrado no ano passado.

Entretanto, a concorrência com clientes como a Microsoft e seu Office 365 deve ser acirrada. Um exemplo é o da Kroton, que este ano adquiriu a Anhanguera Educacional, cliente Google, e está migrando seu ambiente para as aplicações Microsoft.

Entretanto, o Google emplacou clientes importantes recentemente. Um deles foi a Dudalina, empresa catarinense do ramo têxtil, que realizou automação dos processos da área de inteligência de mercado e comercial o Google Apps.