Thomas Job Antunes. Foto: Luís Henrique Bisol.

Randon, Florense, Marcopolo e Soprano, quatro grandes empresas sediadas na Serra Gaúcha, pólo industrial do Rio Grande do Sul, criaram o Hélice, um movimento pelo qual querem injetar mais inovação na economia da região.

A ideia é operada por meio de um instituto, através do qual as empresas querem se aproximar de startups com potencial para serem investidas por um fundo.

O fundo é voltado para aceleração de startups e tem um programa em parceria com a TecnoUCS e a Ventiur, aceleradora sediada em Porto Alegre que está entre as mais ativas do país. 

O programa já recebeu inscrição de empresas interessadas e está em fase de seleção.

“No ano passado iniciamos um trabalho com startups, mas voltado para empresas já maduras que pudessem atuar como fornecedoras, solucionando desafios das companhias que formam o instituto. Agora, o objetivo é fomentar o ecossistema de inovação ao buscarmos projetos em estágio inicial”, explica Thomas Job Antunes, coordenador das ações do grupo.

Antunes era analista de inovação da Marcopolo e foi contratado como executivo para coordenar as ações do grupo. Antes, o profissional fez parte da equipe do Instituto Euvaldo Lodi por cinco anos, onde foi também analista de inovação.

A primeira fase do Hélice começou no segundo semestre de 2018, quando as empresas se aproximaram de startups de todo Brasil.

Com o apoio da ACE Startups foram mapeadas 250 startups no Brasil, sendo 40 pré-selecionadas e 15 escolhidas para apresentarem, em Caxias do Sul, produtos e soluções como foco em quatro pilares: RH, logística, produção fabril e marketing.

Do total, 12 seguiram adiante com Provas de Conceito (POCs). Ao final, as empresas idealizadoras chegaram a 13 contratos de prestação de serviços com startups.

No novo projeto de aceleração, as startups poderão evoluir e validar seus produtos ou serviços ao trabalhar com as empresas mantenedoras ou associadas ao Hélice: Faculdade da Serra Gaúcha (FSG), Florense, Lojas Colombo, Marcopolo, Metadados, Rede Sim, Randon, Sicredi Pioneira RS, Sistema Saúde Integral (SSI), Soprano, Thyssenkrupp, Unimed Nordeste RS e Universidade de Caxias do Sul (UCS).

“Enquanto na aproximação das empresas associadas com as startups nós temos uma relação de prestação de serviço junto a startups maduras, no grupo de investimentos queremos dar tração às startups early stage da região. Nesse modelo, vamos priorizar startups que resolvam dores das empresas associadas, dessa forma, a startup já nasce com empresas parceiras para validar o seu produto e, mais importante, tem no final da aceleração um potencial grande de clientes”, resume Antunes.

As selecionadas no programa de aceleração ainda receberão investimento inicial de até R$ 200 mil, com possibilidade de coinvestimento adicional de até R$ 300 mil e mais o acesso a benefícios da rede de parceiros. 

O Hélice, além das empresas mantenedoras e associadas, conta com marcas apoiadoras: Simecs, Grupo UniFtec, Adri Silva Agência de Conteúdo, Dupont Spiller Advogados, Agência Global, SAP e Tivit.