Jonatas Leandro. Foto: divulgação.

Seguindo a reformulação de estratégia para seu portfólio de soluções em Customer Experience, a Oracle agora aponta sua mira para os bancos.

A empresa apresentou seus produtos - entre soluções de customer experience, big data e engineered systems - no Ciab 2013, evento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) realizado em abril.

Embora não divulgue valores, a Oracle admite que realizou investimentos pesados - "bilhões de dólares", segundo a companhia - para reforçar sua participação nas instituições financeiras.

Para Jonatas Leandro, diretor especialista em Soluções de Serviços Financeiros da Oracle Brasil, a operação voltada aos bancos se sustenta em três pilares.

As duas primeiras são: Risk & Compliance, que otimiza processos para ajustes às legislações e gestão de riscos - 95% dos processos bancários, segundo destaca o diretor; Bank Transformation, com soluções de migração de dados de legado e implantação de novas funcionalidades aos processos.

Por fim, chega o Customer Experience. A aplicação é dividida em dois estágios: o primeiro compila e analisa todas as interações do cliente com o banco (guichês, gerentes, cartão, caixas eletrônicos, home e internet banking, redes sociais).

"Começa com uma parte de inteligência e organização de dados, semelhante a uma aplicação de Big Data, mas vai além disso. O objetivo é transformar este conjunto de dados em ativo de venda", ressalta Leandro.

A segunda parte é de instrumentalização, em que o sistema aponta as melhores práticas de atuação e venda de produtos junto aos clientes, conforme explica o executivo.

"É uma abordagem semelhante ao que já se faz no varejo, só que adaptada à complexidade do ambiente bancário e ao relacionamento entre o cliente e o banco, algo bem diferente do que em uma loja", afirma.

AVANÇO DOS BANCOS

Segundo Leandro, os bancos brasileiros apresentaram um crescimento acentuado nos últimos anos, chegando a ultrapassar muitas instituições internacionais em termos de inovação e investimento em tecnologia.

"Temos um mercado com clientes mais maduros e uma regulamentação avançada, o que abre espaço para soluções mais inteligentes", analisa o diretor.

Segundo dados da Febraban, em 2012 os bancos investiram cerca de R$ 20,1 bilhões na área de tecnologia, uma fatia de 15% no mercado de TI como um todo no país. A área de software é a que mais se destaca, representando por 37% do setor.

Para Alessandra Martins, VP de vendas de Financial Services da multinacional, as instituições financeiras nacionais investiram muito em sofisticação tecnológica nos últimos anos, ampliando serviços em múltiplos canais.

"Mas agora, com as novas pressões mercadológiocas é preciso se superar na conquista e fidelização dos clientes para obter melhores resultados operacionais e financeiros", dispara.