RS

O que pode ser feito na Procergs?

04/08/2015 16:05

Em meio à discussão sobre privatizações e concessões, a Procergs tem estado ausente do debate.

Procergs, com o centro administrativo do estado ao fundo. Foto: site/Procergs.

Tamanho da fonte: -A+A

Em meio a discussão sobre privatizações e concessões à iniciativa privada conduzida cada vez mais explicitamente pelo governo José Ivo Sartori (PMDB), uma estatal tem estado ausente do debate: a Procergs.

A estatal gaúcha de processamento de dados, com 1,181 funcionários e contratos com de órgãos de governo como Detran, IPE e Corsan parece relativamente “blindada” pelo seu papel estratégico e o fato de ter uma atuação menos visível para a população.

A reportagem do Baguete consultou uma dezena de fontes, entre ex-altos executivos da estatal e empresários de TI do estado, questionando sobre o que poderia ser feito de diferente na Procergs.

A privatização total é descartada por todos. O motivo é simples: o grande ativo da Procergs é a inexigibilidade de licitação para venda dos seus serviços para a administração pública, status que se perderia se a empresa fosse privada.

A fórmula mais radical apontada pelas fontes ouvidas pelo Baguete seria a venda de 49% da companhia para algum comprador privado, que com base nessa participação poderia capitalizar ativos como a rede da fibra ótica da empresa, com 5 mil quilômetros espalhados pelo estado, além de explorar os contratos com o governo.

Durante as privatizações do governo Antônio Britto (PMDB), no final dos anos 90, uma operação do tipo na Procergs chegou a entrar nos estágios iniciais. 

Na época, porém, a Procempa, estatal municipal de processamento de dados de Porto Alegre, cujo prefeito então era Raul Pont (PT), entrou no processo de venda, para logo depois contestar juidicialmente o processo, bloqueando a venda.

A maioria das fontes que conversaram com o Baguete, no entanto, não acredita que uma injeção de capital privado seja uma fórmula viável. A maioria aposta numa combinação de redução do quadro (incrementado nos últimos anos frente a uma média de 800 pessoas nos dois governos anteriores) e reposicionamento estratégico da empresa.

O atual número de colaboradores é apontado como além da necessidade, ainda mais tendo em conta que desde o governo Yeda Crusius (PSDB) a empresa tem feito licitações de fábricas de software no mercado – política que inclusive teve continuidade durante a administração Tarso Genro (PT).

O último contrato, assinado na gestão passada, foi vencido pela gaúcha DBServer e envolve 15 mil pontos de função e seis mil horas de consultoria, com ênfase em métodos ágeis e um custo total de R$ 9,9 milhões. Em 2009, haviam sido contratados 20 mil pontos, naquela ocasião da Stefanini.

Para parte das fontes, o ideal seria que a Procergs se posicionasse como um “escritório de projetos” (a Procergs tem no seu corpo profissionais reconhecidos na área) ou o “CIO do governo” (uma função hoje ligada a Casa Civil e sem maior influência política). 

Outros criticam um reposicionamento nessas linhas, destacando que gerência de projetos é uma concepção limitada da atuação da Procergs, que, pela qualidade do corpo técnico poderia ter um papel maior em incentivar o uso de TI em outras partes do governo e gerar economias de escala.

“Não é à toa que as transições do governo são feitas no centro de treinamento de Procergs. A equipe da estatal é quem tem a chave da continuidade da administração”, comenta um dos ex-executivos da companhia ouvidos pelo Baguete. 

O atual presidente da Procergs, Antonio Ramos Gomes, assumiu fazendo uma defesa fa permanência da empresa  como uma companhia estatal. Em conversa com o Baguete, Gomes reiterou o ponto de vista e disse que a visão tem respaldo no Palácio Piratini.

“A Procergs é estratégica para o governo. Todas as secretarias usam sistemas desenvolvidos aqui. Nós guardamos os dados da Receita”, exemplifica Gomes, destacando que recentemente a empresa recebeu o nível Ouro do PGQP pelo seu modelo de gestão.. 

O presidente da Procergs afirma que a estatal está trabalhando em projetos para eliminar o uso de papel na administração pública, além de reativar a Autoridade Certificadora do Rio Grande do Sul.

Essa é a quinta passagem de Gomes pela Procergs, empresa na qual o executivo atuou como consultor durante os governos Pedro Simon (PMDB) e Alceu Collares (PDT) e exerceu cargos de diretoria nos governos Antonio Britto (PMDB) e Yeda Crusius (PSDB).

Gomes diz que não acredita que sejam necessárias mudanças profundas na Procergs. Fontes de mercado ouvidas pelo Baguete apontam que a sua nomeação indica que o governo não quer alterações radicais.

No entanto, a crise financeira do Rio Grande do Sul, onde o deficit das contas públicas bate em R$ 400 milhões mensais parece estar numa escalada que não autoriza descartar alterações profundas em qualquer parte da administração pública, inclusive na Procergs.

Veja também

ZELOTES
Huawei contratou Erenice Guerra

Documentos aponta envolvimento da ex-ministra da Casa Civil no governo Lula em uma ação no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

BANRISUL
Tartari assume Bagergs

O Banrisul Armazéns Gerais é uma das empresas controladas pelo banco estatal gaúcho.

INFRA
Procergs ativa sala cofre

Mais de 200 profissionais e 2 mil equipamentos foram envolvidos no procedimento.

PROCERGS
RS informatiza gestão de demandas

O sistema Gestão de Demandas de Governo liga via digital as 21 secretarias e as vinculadas.