Participantes da edição do ano passado da Latinoware. Foto: KikoSierich PTI.

A Latinoware, um dos maiores eventos de software open source do país, prevista para acontecer entre 09 a 11 de outubro, foi cancelada. 

Os motivos não estão muito claros. A organização divulgou uma nota curta sobre o assunto, atribuindo o cancelamento a “motivos de trâmites contratuais internos” pelos quais não haveria “tempo hábil” para o evento acontecer em outubro.  

“O evento, no entanto, não foi cancelado, apenas prorrogado para data ainda a ser confirmada e divulgada tão logo quanto possível”, garante o texto. 

A reportagem do Baguete procurou a organização para esclarecer o assunto, mas ela preferiu não comentar.

Já na sua 16a edição, o Latinoware é um dos eventos mais tradicionais de software livre do país, realizado pela Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e pela Itaipu Binacional.

A explicação do cancelamento, aliás, pode estar aí: tanto Itaipú como o parque tecnológico associado são controlados pelo governo federal, que nomeia seus diretores. Como é sabido, a atual administração não tem software livre entre suas prioridades.

O general Joaquim Silva e Luna, nomeado em fevereiro para administrar o lado brasileiro de Itaipu, aliás, tem cortar gastos como prioridade.

Em abril, a usina divulgou uma nota comemorando que a nova gestão conseguiu "só num primeiro mapeamento", reduzir "drasticamente" os gastos em convênios considerados "sem aderência" à missão de Itaipu.

O valor total do corte chegava a R$ 42 milhões e incluía inclusive um repasse de R$ 2,4 milhões para a FGV para a realização de VII Fórum Jurídico de Lisboa.

“Sou favorável a convênios que deixem legado para a sociedade, como obras estruturantes ou que gerem um impacto social mensurável, e não em coisas que no dia seguinte terminam”, disse na ocasião Silva e Luna.

Na nota divulgada na época Itaipu disse que "revisando todos seus contratos, convênios e patrocínios a fim de adequá-los à política de austeridade do governo Bolsonaro".

A reportagem do Baguete procurou a usina de Itaipu para questionar se a Latinoware foi cancelada como parte da nova política de gastos, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria.

Apesar da falta de informações oficiais, não é difícil formar um cenário provável do que aconteceu.

Em seu site, a Latinoware exibe apenas um patrocinador: a Linplast, uma empresa de móveis escolares e auditórios. O evento é, portanto, depende dos recursos dos organizadores.

Um cenário possível é que a direção da usina tenha cortado a verba ou em abril ou mais recentemente, e que os organizadores tenham tentado uma negociação para reverter a medida até a última hora, optando ao final por cancelar.

Na sua última edição, no ano passado, a Latinoware reuniu 4 mil pessoas no Centro de Convenções de Foz do Iguaçu.

A fase não é boa para eventos de software livre. Em abril, a Associação Software Livre, organizadora do Fórum de Software Livre, anunciou que o evento estava cancelado neste ano em Porto Alegre, onde já havia acontecido em 18 edições.

Na ocasião, a ASL prometeu uma novo "local, data e formato" até o final do semestre, o que ainda não aconteceu.

O FISL já havia sido cancelado por falta de patrocinadores em 2017 e aconteceu numa versão muito reduzida em 2018.

 Tanto FISL como Latinoware são vítimas do distanciamento crescente da promoção do software livre do governo em diferentes níveis.