SEGURANÇA

BC limita transações noturnas via Pix

04/10/2021 10:53

Medida visa combater crimes envolvendo a plataforma

Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

O limite para transferências noturnas realizadas através do Pix começa a valer a partir desta segunda-feira, 4.

A medida tomada pelo Banco Central permite no máximo o valor de R $1 mil para transferências realizadas por pessoas físicas das 20h às 6h. Empresas não serão atingidas com a medida. 

A mesma regra deverá ser aplicada para transferências via TED e DOC.

Os clientes que desejam realizar pagamentos acima do limite estabelecido devem buscar sua instituição financeira e solicitar o ajuste da quantia. Os bancos terão até 48 horas para atender a solicitação.

A ação tomada pelo Banco Central visa diminuir o número de denúncias de sequestros relâmpagos e outros crimes utilizando transferências via Pix.

Segundo um levantamento realizado em agosto pela Folha de S.Paulo, entre dezembro de 2020 e março de 2021, foram registrados 51 boletins de ocorrências narrando crimes do tipo. Entre abril e julho deste ano, o número saltou para 151.

O Pix já atingiu a marca de 295 milhões de chaves cadastradas, com 87,6 milhões de cadastros feitos por pessoas físicas e 5,8 milhões de empresas. 

Somente em julho deste ano, foram feitas 741 milhões de transações, movimentando R$ 413 milhões de reais.

Veja também

ATAQUE
Vazam 395 mil chaves PIX

Dados foram obtidos por meio de ataque ao Banese, banco estatal do Sergipe.

NA MÃO
Banco Randon terá aplicativo

App está sendo desenvolvido pela DBServer, que atua em projetos de inovação na gigante.

TRANSFERÊNCIAS
Procon-SP quer limitar Pix em R$ 500 por mês

Para o órgão, limitar as transações noturnas não é suficiente para inibir sequestros. 

FINTECH
Ex-4all assume comercial da PagBrasil

Alexandre de Oliveira é o novo head de desenvolvimento de negócios da empresa.

SEGURANÇA
Nubank procura bugs com HackerOne

O banco digital vai recompensar pesquisadores que encontrarem vulnerabilidades em seu aplicativo.

CRIME
Sequestros-relâmpagos agora “aceitam” Pix

Segundo levantamento da Folha de S. Paulo, a prática tem se tornado comum.