WEARABLES

Luxottica: óculos inteligente com Intel

04/12/2014 13:03

O grupo Luxottica Group tem mais de 7 mil lojas em 130 países. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A italiana Luxottica está unindo forças com a fabricante norte-americana de chips Intel para desenvolver óculos de alta tecnologia para avançar no segmento de wearables.

O acordo com a Intel é o segundo acordo do tipo da Luxottica, após uma parceria com o Google no começo deste ano para fabricar e distribuir óculos conectados à internet, segundo a Reuters.

O mais recente acordo de pesquisa e desenvolvimento, sobre o qual as companhias não deram detalhes financeiros, tem como objetivo produzir armações que são "tão inteligentes e funcionais quanto belas", disse o presidente-executivo da Luxottica, Massimo Vian, em comunicado.

Os primeiros óculos devem ser lançados no ano que vem.

O grupo Luxottica Group tem mais de 7 mil lojas em 130 países, com presença na América do Norte, Ásia-Pacífico, China, África do Sul, América Latina e Europa.

No início de 2014 a Intel mostrou animação com tecnologias como os wearables, dispositivos móveis e Internet das Coisas. Assim como os PCs, as novidades nortearam as estratégias da companhia no ano.

Segundo a empresa, performance e uso mais intuitivo ganharam mais força como diferenciais, já que os recursos dos dispositivos têm convergido nos últimos anos. 

"Frente a este movimento do mercado, a Intel vai reforçar os investimentos, oferecendo à indústria mais ferramentas para explorar formatos diversos, com baixo consumo de energia e agilidade de processamento", destacou a companhia em relatório.

Veja também

WEARABLE OU HEADSET?
Samsung lança colar fone de ouvido

Novo gadget é um headset que se transforma em um colar quando você não o está usando.

BAND
Microsoft lança seu primeiro wearable

Empresa anunciou pulseira inteligente e plataforma de saúde que complementa o gadget.

E AGORA?
Google Glass perdendo o gás?

Usuários e desenvolvedores estão perdendo o ânimo com o até então promissor aparelho do Google.

AINDA NÃO
Samsung: wearables vão demorar no Brasil

Empresa acredita que dispositivos só engrenarão no mercado local daqui a dois anos.

TENDÊNCIA
Gartner: 150 mi de carros conectados até 2020

60% a 75% dessa frota será capaz de consumir, criar e compartilhar dados por meio de internet sem fio.