RIVAL DO GLASS

Intel: US$ 25 mi por participação no Vuzix

05/01/2015 15:53

A fabricante de chips norte-americana parece determinada a estar na vanguarda dos wearables. 

A Intel investiu US$ 24,8 milhões em uma participação de 30% na Vuzix. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Intel investiu US$ 24,8 milhões na compra de uma participação de 30% na fabricante do óculos inteligente Vuzix. A fabricante de chips norte-americana parece determinada a estar na vanguarda dos wearables. 

Uma colaboração entre a Intel e a marca de acessórios de luxo Luxottica já é mantida há "vários anos" para "antecipar o que a tecnologia inteligente para eyewear será no futuro".

Segundo o The Verge, ainda há rumores de que a empresa tenha se comprometido a fornecer os processadores para a próxima geração de Google Glass.

Ao comprar uma participação na Vuzix, no entanto, a Intel também se envolve no lado corporativo dos wearables - uma área em que a funcionalidade supera elegância. 

A Vuzix fechou um acordo com a Lenovo para vender os óculos para os mercados industriais e comerciais na China. Segunda a empresa, também são alvos os setores de medicina, varejo e gestão de materiais.

O Google está tentando emplacar nos mesmos mercados com o Glass, desenvolvendo softwares para ajudar na conexão entre o óculos e os cenários reais de trabalho.

Para a Vuzix, o investimento vem em um momento crítico. Embora sua receita do terceiro trimestre de 2014 tenha tido alta de 96%, o prejuízo líquido para o mesmo período foi de aproximadamente US$ 3,3 milhões.

Para analistas, embora o Google Glass já tenha provado que pode ser útil em diversas áreas, os prospectos do wearable se tornar um hit entre os consumidores finais estão diminuindo a cada dia. Chega a parecer, inclusive, que o próprio Google está perdendo sua fé no wearable.

Um indicativo vem de ninguém menos que Sergey Brin, co-fundador do Google e mente por trás do projeto Glass. Desde 2012, Brin comparecia a eventos públicos usando o óculos. Entretanto, estão cada vez mais comuns as aparições de Brin sem o dispositivo.

Entretanto, à parte de análises subjetivas, o Google Glass também vem esfriando em outras frentes. Desenvolvedores para o wearable estariam perdendo o interesse na produção de apps.

De dezesseis software houses que desenvolviam aplicações para o Glass, nove delas afirmaram que interromperam ou abandoram seus projetos para o produto devido à falta de público consumidor ou restrições do aparelho. Fundos de investimentos voltados à desenvolvedoras para o Glass também saíram de cena discretamente.

Um dos motivos para a debandada dos desenvolvedores é o ainda salgado preço do wearable, cuja versão Explorer (a única disponível atualmente) sai por US$ 1,5 mil. É um produto caro para testes, ainda mais considerando que o Google segue adiando o lançamento do Glass para o público geral - e por um preço mais camarada.

Veja também

OFERTA
Vivo começa a vender smartwatches

Vivo é a primeira operadora a incluir wearables em seu portfólio de produtos.

PREVISÃO
Gartner: wearables "imperceptíveis" no futuro

Consultoria aponta que tecnologias vestíveis estão ficando cada vez mais discretas.

WEARABLE
TAG Heuer: smartwatch com Intel

O relógio deverá medir passos, calorias e analisar a qualidade do sono.

E AGORA?
Google Glass perdendo o gás?

Usuários e desenvolvedores estão perdendo o ânimo com o até então promissor aparelho do Google.

AINDA NÃO
Samsung: wearables vão demorar no Brasil

Empresa acredita que dispositivos só engrenarão no mercado local daqui a dois anos.

BAND
Microsoft lança seu primeiro wearable

Empresa anunciou pulseira inteligente e plataforma de saúde que complementa o gadget.

TE CUIDA GOOGLE?
Toshiba apresenta seu smart glass

Japoneses entram na briga dos óculos inteligente contra o Google.

TENDÊNCIA
Realidade virtual: vedete da CES 2015?

Startups e empresas grandes querem repetir o impacto que a Oculus Rift fez na feira tecnológica em 2014.