A produtora de tabaco e seus derivados está no Brasil há mais de 45 anos. Foto: Pixabay.

A Philip Morris Brasil, multinacional produtora de tabaco e seus derivados, adotou a solução da DataRobot, startup americana que explora dados e automatiza a criação de modelos de machine learning, para auxiliar na sua tomada de decisões estratégicas junto ao varejo.

Segundo a companhia, a necessidade surgiu pela complexidade de monitorar os diferentes cenários — incluindo sazonalidade, demandas específicas, regionais e processo logístico — em mais de 180 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil.

Entre maio e julho de 2020, a DataRobot realizou uma prova de conceito (PoC) na empresa, na qual o modelo de previsão de demanda apresentou ganhos considerados significativos em 5 de 7 segmentos avaliados.

“O modelo de propensão à bonificação obteve mais de 67% de acurácia durante a prova de conceito, o que representa um potencial significativo na gestão estratégica de campanhas utilizando machine learning”, destaca Oliver Fuljahn, diretor de vendas e distribuição da Philip Morris Brasil.

Na sequência, entre setembro do ano passado e janeiro de 2021, foi realizado um piloto com mais de 2,5 mil pontos de venda. Nos primeiros meses do projeto, houve uma melhoria nas projeções em torno de 10%.

Com acesso a dados históricos de vendas da PMB, a equipe da DataRobot conta ter realizado um planejamento para demonstrar a capacidade de análise das informações pela plataforma de IA.

“Envolvemos várias áreas ligadas ao planejamento de vendas e capacitamos os profissionais da Philip Morris Brasil para atuarem com a nossa solução. O projeto foi totalmente colaborativo, com encontros virtuais semanais de uma hora entre os times da PMB e da DataRobot”, conta Jonathan Farinela, cientista de dados da DataRobot.

Segundo a companhia, foram gerados insights que contribuíram no diálogo das áreas de negócios com as comerciais para definição de estratégias de campo, permitindo que a equipe de dados da PMB compreendesse as variáveis e modelos utilizados no planejamento.

A plataforma de IA adotada compreende DataPrep, automação de machine learning e MLOps, uma implantação facilitada de modelos, monitoramento e governança de modelos preditivos da própria DataRobot ou de terceiros. 

Segundo a Philip Morris Brasil, a solução de IA foi importante para analisar o desenvolvimento de vendas pois, se é possível prever os impactos das possíveis variáveis, também é possível atuar melhor no ponto de venda.

Fundada em 1847 em Nova Iorque, a Philip Morris International (PMI) está presente em mais de 180 países e faturou US$ 79,82 bilhões em 2018. A companhia está no Brasil há mais de 45 anos.

Fundada em Boston em 2012 pelo brasileiro Tom de Godoy e pelo americano Jeremy Achin, a DataRobot já levantou US$ 700 milhões junto a fundos de investimento de empresas como New Enterprise Associates, Sapphire Ventures, Meritech e DFJ.

Com clientes como a Monsanto no portfólio, a empresa montou uma operação no Brasil em julho de 2018, sob o comando de Marcos Hayashi, um executivo com passagens por CSC Brasil, Sixbell e Altitude Software.