BICHOS

Pandemia desbanca unicórnios e abre espaço para startups camelos

05/05/2020 08:47

Crise gera mudança no tipo de empresas promissoras: saem de cena as promessas de crescimento, entra a capacidade de resistência.

Marília Cardoso, sócia-fundadora da PALAS. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O vento já não era favorável para os unicórnios – startups que atingem valor superior a US$ 2 bilhões – muito antes da pandemia do novo coronavírus.

Chamadas por muitos especialistas de incineradoras de dinheiro, a grande maioria delas se quer deu lucro. Na busca desenfreada por crescimento rápido, a maioria se atropela ao colocar dinheiro demais em uma única ideia, o que tem deixado os investidores em alerta.

Nesse contexto, quem está ganhando espaço são as startups camelos, aquelas capazes de sobreviver mesmo em ambientes inóspitos.

A mudança de cenário no segmento de startups não é nova. Em 2017, nasceu o movimento Zebras United, um manifesto elaborado pelas empreendedoras norte-americanas Mara Zepeda, Aniyua Williams, Astrid Scholz e Jennifer Brandel.

As zebras criticam os valores de "crescer rápido e sair de cena", defendendo startups mais sustentáveis e que tenham forte impacto social. O animal foi escolhido pelo fato de ser "preto e branco", marcando a realidade e transparência, o que contrasta totalmente com os seres mitológicos bilionários.

Mas, há de se convir que 2020 tem sido um ano de grande ruptura. A fragilidade da vida, o isolamento social e a quebra da economia tem levado setores inteiros a repensarem seus negócios.

Com as startups não seria diferente. A farra do dinheiro fácil nas rodadas de investimentos parece ter chegado definitivamente ao fim. Agora, para sobreviver, é preciso ser resistente ao ambiente árido e sem fontes de recursos abundantes.

Foi então que o investidor Alex Lazarow, em sua coluna no Portal Entrepreneur, defendeu que o modelo de unicórnios apregoado pelo Vale do Silício não faz sentido fora de suas fronteiras, onde o ecossistema é muito menos favorável.

O especialista aponta que fora dali, o mascote mais apropriado são os camelos, já que eles "se adaptam a vários climas, sobrevivem sem comida ou água por meses e, quando chegar a hora certa, podem correr rapidamente por períodos prolongados".

Assim como no caso das zebras, pesa o fato de os camelos serem animais reais e não fictícios. Eles são capazes de sobreviver nos lugares mais difíceis da Terra, lutando diariamente por sua sobrevivência.

Lazarow compartilha importantes lições a serem aprendidas com as startups camelos, que ganham relevância ainda mais notória no contexto atual. Uma delas é sobre o perigo de produtos e serviços gratuitos.

Em mercados mais difíceis e menos desenvolvidos que o Vale do Silício, não é simples oferecer gratuidades em prol do crescimento rápido. As empresas precisam gerar receitas para serem sustentáveis.

"Para atrair clientes, os inovadores precisam oferecer uma solução que valha a pena pagar e serão recompensados se o fizerem". Afinal, a razão de ser de uma empresa do regime capitalista será sempre a geração de riquezas.

Outro alerta é quanto ao gerenciamento de custos. Para ele, os inovadores precisam equilibrar a curva de despesas com a de receitas. Novas contratações – que normalmente são os maiores custos dessas empresas – devem estar condicionadas ao aumento das receitas.

Assim como o marketing precisa ser escalado em um ritmo adequado ao crescimento da empresa. Da mesma forma, o investidor aponta para a necessidade de só captar recursos extremamente necessários.

"O capital de risco é uma ferramenta poderosa, mas não funciona para todos os tipos de empreendedores". E completa: "camelos tendem a ser mais criteriosos em relação a tomar ou não investimentos externos, de quem e em que termos".

Por fim, o mais importante, em especial em um momento como o qual estamos enfrentando, é manter o foco no longo prazo. "Nem sempre a corrida é sobre quem chega ao mercado primeiro. É sobre quem sobrevive por mais tempo", afirma.

A maturidade continua fazendo a diferença. A cultura de adaptabilidade e resiliência de uma empresa fazem muita diferença quando são colocadas em situações de apuros.

"Os camelos crescem em jorros controlados, optando por acelerar e investir no crescimento quando a oportunidade exigir". Que empresas de todos os portes e segmentos sejam mais camelos para encarar esse desafiador 2020!

*Por Marília Cardoso, sócia-fundadora da PALAS.

Veja também

DELIVERY
99Food chega a 12 novas cidades

Até então somente em Curitiba e Belo Horizonte, serviço avança para todas as regiões do Brasil.

CENÁRIO
Crise desafia as cleantechs

Ao todo, Brasil já tem 130 empresas focadas nas chamadas “tecnologias limpas”.

PÓS-COVID
BRDE tem programa de startups

Iniciativa vai ser operacionalizada pela aceleradora Ventiur em parceria com Aliança pela Inovação.

EDUCAÇÃO
Etecs e Fatecs retomam aulas com Teams

Ferramenta da Microsoft será utilizada por mais de 300 mil estudantes do estado de São Paulo.

AMÉRICA LATINA
Lenovo Data Center tem novo líder de HPC

Roberto Brandão lidera a área, enquanto Gustavo Stringueta é o novo head de vendas de storage no Brasil.

LOGÍSTICA
Ex-Tegma é novo CIO da BBM

Pedro Neves tem mais de 15 anos de experiência liderando equipes na área.

AGRICULTURA
Pomartec capta R$ 687 mil

Em rodada na CapTable, startup voltada à fruticultura contou com aporte institucional do Badesul.

GESTÃO DE RISCO
Sigalei recebe aporte de R$ 1,3 milhão

Rodada de investimento foi liderada pelo GVAngels, Allievo Capital e SL Anjos.

CARREIRA
Abstartups lança banco de talentos

Objetivo é conectar profissionais e empresas em meio às demissões da pandemia.

OTIMISMO
80% das startups da Wayra não pensam demitir

Mesmo assim, 74% preveem impactos negativos nos seus negócios pelo coronavírus.