O Hospital São Lucas (HSL) vai adotar o Soul MV. Foto: Divulgação.

O Hospital São Lucas (HSL), da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), contratou a MV com o objetivo de estabelecer uma operação digital - sem papel. Atualmente, a instituição está em fase de migração de dados para a plataforma de gestão hospitalar Soul MV.

Com 620 leitos, o hospital realiza, por mês, mais de 8 mil atendimentos na emergência, 2 mil internações, 160 mil exames laboratoriais e 58 mil exames de imagem. 

Para este ano, o plano é que cerca de 6 mil profissionais estejam utilizando a tecnologia da MV nas áreas clínicas, assistenciais, administrativas, financeiras e estratégicas.

Sérgio Baldisserotto, diretor técnico e clínico do HSL, relata que além da busca por atualização e necessidade de melhorias nos registros assistenciais, o que motivou a escolha pelo Soul MV foi a intenção de implantar no hospital novas soluções de TI, como o prontuário eletrônico do paciente (PEP) e o business intelligence.

O Soul MV busca facilitar o fluxo de dados dos processos hospitalares e proporcionar agilidade e eficiência no atendimento ao paciente.

A plataforma não só sustenta a gestão de projetos, processos e riscos, mas também análises preditivas baseada em indicadores que apontam situações antes mesmo das suas ocorrências.

“Após criteriosa análise e pesquisa de mercado, o Hospital São Lucas da PUCRS optou pelo Soul MV como sua plataforma informatizada de gestão hospitalar. Seria leviano afirmar que nossa decisão se baseou somente no aspecto custo-efetividade do produto adquirido. Em nossa avaliação, a MV se apresenta como uma empresa de ponta na área de TI para a saúde com capacidade de gerar melhoria continuada em seu produto”, comenta Baldisserotto. 

Com mais de 1 mil clientes - entre hospitais, operadoras de planos de saúde e saúde pública - a MV conta com mais de 100 mil médicos e 250 mil profissionais usando as plataformas da empresa.

Além do Brasil, a MV está presente em mais 9 países: Angola, República Dominicana, Uruguai, Peru, Colômbia, México, Panamá, Argentina e Paraguai.

Apesar de não ter revelado valores de faturamento para 2015 e 2016, a empresa registra cerca de 10% de sua receita com negócios vindos de fora do Brasil.

Em 2014, último ano com resultados divulgados, a companhia alcançou uma receita líquida de R$ 161 milhões, alta de 20% frente a 2013.