AGORA É NO VOUCHER

Stefanini e PTI trocam dinheiro por SMS

05/07/2013 13:00

Parceria oferece solução que gera vouchers digitais por meio de celular para realizar pagamentos. Pela frente, um mercado de 264 milhões de usuários no Brasil.

Nem nota, nem moeda, nem cartão: agora é tudo no celular. E pode ser um básico que nem esse aí. Foto: Flickr.com/whiteafrican

Tamanho da fonte: -A+A

A Stefanini lança, em parceria com a PTI (Portugal Telecom Inovação), o Digital Money, plataforma de geração de vouchers para substituir o uso de dinheiro ou cheque em transações financeiras.

Desenvolvida pela PTI, a ferramenta permite às instituições financeiras criarem e gerarem códigos para os vouchers. No caso das que não possuam geração de códigos aleatórios, a solução possibilita a importação de números randômicos.

Marco Aurelio Munhoz, diretor de Vendas e Marketing, da PTI, explica que o VTS (Voucher Trade System) entra como parte fundamental deste processo.

A solução possibilita que o cliente gere vouchers digitais por meio do celular (via SMS ou app) para realizar pagamentos.

O voucher representa um direito ao seu proprietário, como por exemplo um valor em dinheiro, um determinado número de pontos em uma promoção ou uma entrada para o cinema.

“Um grande volume destas transações tem origem na utilização de vouchers. Com o advento do M2M (Machine to Machine), é possível customizar o produto para a área financeira”, detalha o executivo.

Com o voucher, por meio de qualquer dispositivo móvel que envie SMS é possível fazer a transferência de dinheiro entre um usuário e outro.

A plataforma também pode ser usada em transações de e-commerce sem a necessidade de cartão de crédito.

Em qualquer caso, o valor monetário é digitalmente creditado ou debitado da conta do cliente.

“Os atuais 264 milhões de celulares atualmente em uso no Brasil poderão utilizar deste serviço, sem a necessidade de aplicativo específico ou terminal com capacidade de NFC (Near Field Communications)”, prospecta Munhoz.
Munhoz destaca que o sistema de disponibilização do voucher ao usuário vai depender da modalidade da forma de pagamento.

Por exemplo: se uma determinada empresa quiser fazer o pagamento de seus funcionários, poderá solicitar ao banco a emissão de ordens de pagamentos.

Com o voucher, o funcionário poderá efetuar o saque  em qualquer caixa eletrônico ou agência bancária.

“Há um código específico para cada voucher, que pode ser complementado com o CPF ou outra identificação do usuário, seja ele o receptor ou gerador do benefício”, ressalta Wander Nogueira, gerente de Negócios da área de Business Consulting da Stefanini, que entra como integradora da solução.

Uma das primeiras empresas a trabalhar com sistema pré-pago para transações financeiras no mundo, a companhia portuguesa controla hoje mais de 200 bilhões de processos em suas plataformas.

Já a Stefanini é uma multinacional brasileira com presença em 30 países.

A oferta da empresa abrange serviços de consultoria, integração, desenvolvimento de soluções e outsourcing para aplicativos e infraestrutura, além de BPO.

Veja também

FÓRUM AMCHAM
Woopi e Stefanini: as mãos dadas da inovação

No Fórum de Tecnologia e Inovação, promovido pela Amcham, executivos foram unânimes em afirmar que a inovação só acontece com crowdsourcing.

MERCADO ELETRÔNICO
Stefanini: parceria no e-procurement

Acordo faz parte de programa de canais do ME, que, com Stefanini, ganha presença em 32 países.

FÁBRICA DE SOFTWARE
Stefanini: 100 mil horas na Procergs

A Stefanini já entregou mais de 100 mil horas de desenvolvimento na Procergs desde 2009.

ATENDIMENTO ONLINE
Stefanini: plataforma web para BDMG

Sistema já permitiu incrementar em 40% o volume de negócios do banco na área de MPEs.

EXPANSÃO DA OFERTA
Stefanini foca centro de MG em SAP

Parceria aumenta e oferta cresce, incluindo serviços e soluções para Hana.

CERTIFICAÇÃO
Stefanini: MPS.Br A e C em três fábricas

Unidade de Jaguariúna, em São Paulo, recebeu o nível A, e fábricas do Distrito Federal, levaram o nível C.

GREVE
O que aconteceu na Stefanini?

Situação nebulosa em torno da primeira greve ocorrida em uma empresa privada de TI no Rio Grande do Sul.