Jorge Guimarães e Marcos Pontes. Foto: Marcio Nascimento/ASCOM MCTIC.

A EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) vai disponibilizar R$ 8 milhões em recursos não reembolsáveis às empresas que queiram desenvolver projetos de inovação na área de Internet das Coisas (IoT) e Manufatura 4.0.  

A liberação foi anunciada após um encontro entre Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologias, Inovações e Comunicações (MCTIC), e Jorge Guimarães, diretor-presidente da EMBRAPII.

Os recursos fazem parte do primeiro ciclo de liberação de verba captados juntos às empresas beneficiadas pela Lei de Informática. A EMBRAPII coordena o PPI em IoT/Manufatura 4.0, programa do MCTIC criado para auxiliar o setor de informática a cumprir os investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) obrigatórios.

“A possiblidade de utilizar a Embrapii dentro dos projetos e programas do MCTIC é bem importante. Precisamos de braços e a Embrapii tem um modelo de negócio que é comprovadamente eficiente e ajuda a alavancar projetos de tecnologia e inovação de empresas que atuam em diversos setores”, destaca o ministro Marcos Pontes.

Empresas de todo porte podem participar sozinhas ou criar projetos colaborativos com startups, pequenas e médias empresas. Projetos em conjunto podem garantir até 50% de recursos não reembolsáveis para seu desenvolvimento.

O Brasil caminha a passos lentos rumo à Indústria ou Manufatura 4.0. Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que apenas 1,6% da indústria nacional está na fronteira do conhecimento, mesmo sabendo que a adoção de tecnologias que conectam as diferentes etapas produtivas é o caminho para ganhar eficiência e melhorar a gestão de negócios.

“A economia digital tem grande potencial para transformar a competitividade do Brasil e impedir que a defasagem se amplie nos próximos anos. O uso de tecnologias digitais é decisivo para o desenvolvimento econômico do país. Investir em IoT e em Manufatura 4.0, seja em produtos ou processos, contribui para o aumento da competitividade das empresas, com redução de custos e ganhos de eficiência”, destaca Jorge Guimarães, diretor-presidente da EMBRAPII.

Os projetos devem ser realizados em parceria com as Unidades EMBRAPII, instituições de pesquisa científica e tecnológica credenciadas capazes de atender a demanda empresarial. Há 19 unidades habilitadas a desenvolver projetos com estes recursos pelo país.