Ann Lai. Foto: Baguete.

Tamanho da fonte: -A+A

Cada vez mais focada em conquistar o mercado de designers e usuários de aplicações visuais e de alta performance a HP anunciou em seu campus em Fort Collins, cidade a cerca de 90km de Denver, no Colorado, uma série de novas tecnologias para participar agressivamente no mercado.

Segundo Ann Lai, diretora global de displays para workstations, a companhia está investindo pesado - embora não abra valores - para o desenvolvimento de produtos como displays curvados específicos para uso em PCs, assim como telas de 3D interativo.

Na ocasião, a executiva apresentou protótipos destas tecnologias, que devem chegar ao mercado a partir de 2015, segundo a companhia. Os dois produtos, um monitor ultrawide com tela curvada de 27", e uma tela de 23" com 3D interativo, foram mostradas em ação.

No caso do monitor curvado, a executiva afirma que o uso deste tipo de curvatura não é nenhuma novidade no mercado de televisores, mas é no PC e seu específico grau de distância do usuário é que ele pode ser realmente funcional.

"Com uma distância otimizada do usuário, o monitor curvado ocupa o campo de visão de maneira completa, realmente mostrando os benefícios do uso desta tecnologia. Em uma TV, ele geralmente fica longe, em uma parede. Não se tem tanto ganho", explica.

Fabricantes estão atentas ao potencial dos monitores ultrawide e curvados para os usuários de desktop, tanto para trabalho ou para games. Aliás, algumas delas estão até chegando na frente.

Na CES, em janeiro, a Samsung apresentou seu primeiro produto do tipo, e a LG programou para a IFA, que ocorre esta semana em Berlim, a sua oferta.

3D

Outra inovação apresentada por Lai foi um monitor de 3D interativo. Com uma tela LCD posicionada de forma horizontal, como se usa um tablet, o usuário pode ver, com o auxílio de um óculos 3D, projeções 3D do que está na tela. Com o uso de uma caneta especial, é possível fazer modificações no modelo 3D.

"Em vez de interagir com a tela, é possível trabalhar diretamente no objeto, na sua representação em 3D. Pode-se girar, cortar, colorir, entre outros recursos", afirmou Lai.

Ao observar a tecnologia em ação, foi possível observar alguns bugs em sua operação, mas segundo Lai, como a tecnologia ainda está em testes, ainda deve levar algum tempo para estar 100% pronto para o mercado.

"Com esta novidade queremos atingir segmentos específicos que podem se beneficiar muito com o uso do 3D. Desde design e arquitetura, visamos setores como educação e geofísica, que também podem se interessar", destacou a diretora.

*Leandro Souza viajou a Fort Collins a convite da HP.