TRANSFORMAÇÃO

Morre a indústria automobilística, nasce a mobilidade como indústria

05/11/2019 13:46

Sai de cena a fabricação de carros, entra no lugar a criação de plataformas de mobilidade.

Tudo está mudando rápido no mundo da mobilidade. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

Akio Toyoda, presidente da Toyota, neto do fundador da gigante japonesa, abriu sua participação na CES de 2018 com a seguinte frase:

“Nossos competidores já não fazem apenas carros. É sobre empresas como Google, Apple e até mesmo o Facebook que eu penso à noite”, desabafou o Sr. Toyoda (é assim mesmo que se escreve, com a letra d).

Na ocasião da CES, uma feira que até poucos anos antes não tinha maior participação do setor automotivo, a Toyota apresentou um carro autônomo cujas parcerias curiosamente incluíam uma miríade de marcas, de Amazon a Uber, passando pela Pizza Hut.

As big techs entraram no mercado de mobilidade e isso muda a maneira como as pessoas gastam seu dinheiro com deslocamentos, e, por consequência, impacta o mercado de automóveis. 

O sintoma mais visível é a quantidade de pessoas que decidem não ter carros e fazer seus deslocamentos de “Uber”, segundo dados do Shared-Use Mobility Center (SUMC)

A empresa de consultoria Accenture prevê que a mobilidade como serviço será mais lucrativa do que a fabricação e venda de carros. Isso tem colocado a indústria automobilística em alerta, como eu já havia escrito anteriormente. É o fim das car makers e início da indústria da mobilidade. 

O segredo para o sucesso no segmento de mobilidade como serviço parece ser o de embalar uma série de opções de transporte em um pacote unificado. A empresa ou grupo de empresas que conseguirem dominar o cenário antes levará vantagem. 

De forma análoga, é mais ou menos o que está acontecendo agora mesmo no mercado de streaming de filmes e séries, com Netflix, Disney e HBO disputando hegemonia.

Siga o dinheiro e verás outro sintoma preocupante para as montadoras. De acordo com um levantamento da consultoria CB Insights, 9 em cada 10 dólares investidos em “new mobility” foram parar nas startups que oferecem o serviço, em detrimento das fabricantes de bikes, patinetes e assemelhados. 

Significa que existe no mercado a percepção de que prestar serviço de aluguel dá mais dinheiro que produzir o veículo. Significa também que, muito provavelmente, existe uma bolha formada no nicho de mobilidade compartilhada. 

Em busca de um sono mais tranquilo, CEOs das montadoras tradicionais estão apostando em parcerias, alianças e outros arranjos.

Seja através de memorandos de entendimento com concorrentes de peso, seja investindo pesado em startups, existe um forte movimento nesse sentido.

Até mesmo mega-fusões estão na mesa, como é o caso da Fiat e Renault - que no fim não aconteceu, mas quase. Depois de desistir desta fusão, o grupo Fiat-Chrysler está negociando com a Peugeot-Citroen com o objetivo de "criar um grupo que figure entre os líderes da mobilidade".    

Para sobreviver, as velhas montadoras estão atirando em tudo que se move. A Ford comprou várias startups, entre elas a Spin, de patinetes elétricos, e investe pesado na Rivian, startup de picapes de luxo elétricas. Enquanto isso, a Ford vê seus lucros diminuírem paulatinamente e tem seu credit rating perto de virar junk.  

A Renault acaba de lançar uma subsidiária para cuidar só de assuntos de nova mobilidade. O tema é tão sério que os franceses batizaram a empresa de Renault M.A.I (leia-se Mobility As an Industry).  A nova subsidiária fará a gestão do segmento de mobilidade como um serviço. 

Trocando em miúdos, significa tratar com atenção especial os segmentos de compartilhamento, conectividade e micro-mobilidade.

O Grupo Renault vem atuando há quatro anos no desenvolvimento de novos serviços de mobilidade compartilhada, com ou sem motorista (como Renault MOBILITY, Zity em Madrid, Moov’in.Paris e Marcel), além de realizar aquisições e investir de forma estratégica em diversas startups especializadas em mobilidade (Karhoo, Yuso, Como, iCabbi, Glide). 

No Brasil, a empresa apóia um programa de emissão zero de carbono na ilha de Fernando de Noronha.

Já a GM colocou meio bilhão de dólares na Lyft, maior concorrente da Uber lá na terra do Trump. A VW vem revelando planos ambiciosos no mundo da nova mobilidade há algum tempo, como já comentei aqui. Recentemente, a montadora alemã decidiu, ela também, investir em autônomos, tempo o Vale do Silício como locação para este fim.

A Audi lançou seu próprio patiskate (mistura de patinete com skate) que é um item opcional para quem comprar o modelo e-Tron. A montadora criou inclusive um novo cargo na hierarquia: project manager for micro-mobility. Achei chique. Além disso, em parceria com Italdesign e Airbus,a Audi lançou o projeto de um taxi-drone modular futurista. 

Para não ficar a ver carneirinho nas nuvens, a rival Porsche se emparceirou com ninguém menos que a Boeing para fazer um troço parecido com um carro que voa

Nesse mercado de taxi-drones, quem quer dominar a coisa toda tão logo as redes 5Gs entrarem em operação é a chinesa EHang, que já está buscando seduzir o mercado europeu. 

 Mas taxi-drone voador é um mercado que os americanos chamariam de pie in the sky, por enquanto. Está lá no futuro e ninguém sabe se vai realmente vingar, mas há quem queira estar na vitrine porque vai que, né, deslancha daqui a pouco. . 

Voltando para a terra firme, quem está no centro das parcerias de veículos autônomos é a Waymo, firma que pertence à Alphabet, dona da Google.

A Waymo já assinou parcerias com a Renault, Nissan e Jaguar Land Rover, Honda, entre outras. Mas nesse segmento as coisas são bem mais complexas e já existe uma teia de relacionamentos que envolvem firmas de big data, fabricantes de processadores, operadoras de aplicativos e, claro, as montadoras - que não tem nem de longe o protagonismo nessa história. 

O papel das montadoras, eventualmente, será o de fornecer os vagões de operação de mobilidade. E só. Elas correm o risco de perderem o contato com o consumidor final, que é o usuário de mobilidade urbana, pois quem vai intermediar o transporte será alguma operadora de aplicativos. 

Ao mesmo tempo em que veem seus lucros despencar, as montadoras estão se vendo obrigadas a investirem em pesquisa e desenvolvimento para acompanhar o estado-da-arte de empresas como a Tesla, que está pelo menos 5 anos à frente de qualquer outra montadora em termos tecnológicos. 

Ainda que muito criticada, a Tesla vem crescendo continuamente. Ela verticalizou quase toda a cadeia de suprimentos e por isso não fica muito à mercê de parcerias - a não ser no caso das baterias, na qual depende da Panasonic. 

A Tesla tem planos próprios para lançar robô-táxis autônomos. Seu sistema de direção autônoma já é mais avançado do que o da Waymo. No modelo de negócio da Tesla, o proprietário do veículo vai poder ganhar dinheiro com o carro autônomo.

Imagine que ele usa o carro para ir ao trabalho e, ao chegar, libera seu carro para fazer corridas de táxi durante o expediente. No final do dia, ambos ganharam dinheiro trabalhando. 

Com isso, a Tesla ameaça os dois negócios das montadoras. O imediato, que é a venda de carros para usuários finais, e ameaça também as operadoras de apps como Uber, Lyft e outras nas quais as montadoras estão investindo. 

A mobilidade definitivamente entrou em fase de mudança exponencial e é até difícil se manter atualizado sobre tudo o que está acontecendo nesse setor.

A verdade é que as big techs e suas startups não dependem de fabricantes de veículos para ganhar dinheiro com serviços de mobilidade. Já o contrário é verdadeiro. 

* Carlos Martins é idealizador da E-24, a primeira corrida de carros 100% elétrica do Brasil e escreve para o Baguete sobre temas relacionados com indústria automobilística e mobilidade. Confira o blog da E-24.  

Veja também

CARREIRA
Hintz, ex-Boticário, é diretor de TI na Nissan

Executivo já foi CIO da Midea Carrier Latin America. Nissan está investindo no Brasil.

INDÚSTRIA 4.0
GM investe R$ 1,9 bilhão em Joinville

Montadora quadruplicou a área e investiu em mais tecnologia na linha de montagem.

INOVAÇÃO
O impacto da uberização no mercado brasileiro

É hora de parar de falar e começar a caminhar.

CARROS CONECTADOS
Honda adquire desenvolvedora de apps Drivemode

A Drivemode oferece aplicativo de assistência ao motorista, análises para gerentes de frota e solução com foco em montadoras.

MERCADO
Carro elétrico no Brasil: tudo ainda é mato

Montadoras ainda querem empurrar motor, mas consumidor já está pronto para elétricos.

TRÈS BIEN
Feevale leva prêmio da Renault

Estudantes da universidade gaúcha foram premiados em Paris por projeto com Twizy.

CORRIDA
Stock Car de olho nos híbridos

Como uma das principais provas do circuito automobilístico explica o futuro do carro elétrico no Brasil.

FAÍSCA
E-24 agora tem também instituto de inovação

Ideia é alavancar projetos de P&D relacionados com carros elétricos e nova mobilidade.

FUTURO
Entenda o que o Porsche Taycan representa

Gigante alemã é a primeira montadora a encarar a Tesla de frente no tema carro elétrico.

CARREIRA
ConectCar tem nova head de RH

Nos últimos dois anos, a executiva atuou como gerente de recursos humanos da Elo.

PREVISÃO
O futuro apavorante da indústria automotiva

Acordo entre Toyota e BYD é mais uma movimentação que sinaliza disrupção.