Saída de Kede surpreende o mercado. Foto: divulgação.

Rodrigo Kede pediu renúncia ao cargo de diretor-presidente da Totvs, que havia assumido em junho de 2015, como parte de um processo de sucessão do fundador da empresa, Laércio Cosentino.

O fato foi comunicado pela Totvs em nota nesta quarta-feira, 06. De acordo com a empresa, a decisão foi tomada devido a um “problema de saúde”.

O tom do comunicado da empresa, mencionando os “impactos pessoais e familiares” dos problemas do executivo sinaliza que se trata de uma situação séria e não uma desculpa para a saída de Kede.

“Para mim foi uma decisão difícil interromper agora esta trajetória na Totvs, por já estar tão envolvido com a empresa, pessoas e clientes”, afirma Kede.

“Ficamos tristes, mas compreendemos a decisão do Kede, a quem estendemos todo nosso apoio e carinho”, reforça Cosentino.

Com a saída de Kede, Cosentino foi reconduzido ao cargo de diretor-presidente, acumulando a posição junto com a de CEO. 

Pela divisão de papeis, o diretor-presidente tocaria a estratégia de crescimento, operação, gestão de pessoas, enquanto o CEO focaria no acompanhamento da estratégia de tecnologia, produto e distribuição e no contato com clientes.

De acordo com a nota, a Totvs dará continuidade ao plano de sucessão buscando um novo diretor-presidente para a companhia.

Kede foi indicado a reassumir sua posição de membro independente do conselho de administração no biênio 2016 a 2018.

O plano anunciado quando da entrada de Kede, no ano passado, previa que Cosentino permanecesse como CEO da empresa por um “período de transição” de três anos.

Em 2018, Kede passaria a acumular os cargos de diretor-presidente e CEO e Laércio Cosentino se assumiria a presidência do Conselho de Administração.

Cosentino terá que reassumir o controle total da companhia em um momento de transição  no modelo de negócios, além de ainda estar lidando com assimilação da Bematech, comprada em um negócio de R$ 550 milhões fechado em agosto.

No terceiro trimestre deste ano, a empresa alcançou receita líquida de R$ 464,5 milhões, um crescimento de 4,2% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior e de 2,9% frente ao trimestre anterior.

Os resultados significam um incremento em relação aos números do segundo trimestre, quando a Totvs divulgou cifras de 2,7% no aumento do faturamento e queda de 5,6% no lucro líquido em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

A empresa, no entanto, segue abaixo da inflação, que, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), chegou a 9,49% no acumulado de setembro de 2014 até setembro deste ano.

O ritmo de crescimento tem relação com a aposta da Totvs numa estratégia comercial baseado em pacotes de softwares pagos por assinatura. Em um primeiro momento, a abordagem gera queda na receita, uma vez que as empresas não pagam mais licenciamento.

Kede fez uma carreira estelar na IBM, empresa na qual entrou como estagiário, ainda em 1993. Em 2012, o executivo assumiu o comando das operações no Brasil, e em janeiro de 2015, foi promovido ao cargo de VP em nível global, residindo em Nova Iorque. 

O profissional, no entanto, mantinha uma relação antiga com a Totvs por meio da sua posição no conselho de administração.

Agora, é ver qual o caminho que os planos de transição de comando na Totvs tomarão. Se a empresa buscará outro “outsider” como Kede, promoverá algum dos vice presidentes ou cederá a tentação de evitar transições dolorosas e manterá tudo como está.