Katia Vaskys.

Tamanho da fonte: -A+A

Katia Vaskys não é mais a gerente geral da IBM no Brasil.

A executiva comunicou sua saída em um post no Linkedin nesta quarta-feira, 05, com o título "Abraçando o desconforto".

Vaskys afirma que vai apoiar o processo de transição de liderança no primeiro trimestre e a partir de abril deve "seguir novos caminhos".

A executiva não chega a revelar se já há um substituto em vista, ou se esse ainda deve ser selecionado pela IBM.

"Neste momento decidi abraçar o desconforto, aprender novas habilidades, e descobrir meu eu e minha vida sem um sobrenome corporativo", afirma Vaskys no post. 

A profissional não chega a dar maiores pistas sobre os seus planos futuros, afirmando que vai "estudar, reciclar, aprender".

"Estou ansiosa por estas descobertas, e se você quiser continuar a ser amigo só da Katia Vaskys, simples assim, sem adereços, estarei por aí", comenta Vaskys.

Vaskys tem 10 anos de IBM, mas era gerente geral apenas desde janeiro de 2021.

Na ocasião, a nomeação foi comemorada pelo fato de Vaskys ser a primeira mulher a ocupar o comando da gigante de tecnologia no Brasil.

Quando da nomeação, Vaskys era líder de contas de indústria e sponsor executiva do time de Diversidade & Inclusão, um assunto em alta nas grandes empresas de tecnologia.

Quem acompanha a IBM sabe que transições abruptas em posições chave estão longe de ser a regra, assim como a comunicação delas de maneira direta em redes sociais. O mais normal é que cada transição no topo envolva meia dúzia de alterações na cadeia de comando, comunicadas ao mercado em notas mais ou menos áridas.

(Vaskys, por exemplo, foi nomeada para substituir Tonny Martins, que havia sido promovido meses antes para o cargo de gerente geral da IBM América Latina. Martins, por sua vez, substituiu uma outra executiva, também promovida para outra tarefa).

Por outro lado, o ano de Vaskys no comando da IBM do Brasil foi relativamente atípico, incluindo o spin off da unidade Global Technology Services, atuante no ramo de gerenciamento de infraestrutura.

Pessoalmente, Vaskys foi apontada na lista Forbes das 20 Mulheres de Sucesso no país e falou de maneira relativamente aberta sobre o desafio de ser mulher em um setor dominado por homens, nos quais as mulheres em posição de liderança são minoria.

Antes de entrar na IBM, Vaskys foi country manager para o Brasil da Teradata. No mercado desde os anos 90, a profissional passou ainda pela Oracle, SAP e Siebel.