Vicente Goetten. Foto: Marcelo Hamamoto/Totvs.

A Totvs, por meio do seu laboratório de pesquisa e desenvolvimento na Califórnia (Totvs Labs), desenvolveu um protótipo para analisar a interação dos beacons, tecnologia de microlocalização, com os smartwatches. 

O objetivo da companhia com os testes é validar a tecnologia e os relógios inteligentes como uma interface para o usuário, e, posteriormente, avaliar a aderência dessa solução ao mercado e aos seus clientes. 

Os sensores de microlocalização existentes nos beacons transformam os objetos em fontes de informação, possibilitando a interação das pessoas com o ambiente por meio de dispositivos móveis, como smartphones e smartwatches. 

Com a tecnologia, as empresas podem enviar uma mensagem com dicas ou informações sobre um produto visualizado pelo cliente e até mesmo um cupom de desconto. Para isso, o usuário precisa ter instalado no dispositivo um aplicativo que permita essa interação.

Muitas empresas estão avaliando a troca de informações entre beacons e smartphones, porém, com a perspectiva de crescimento na adoção dos relógios inteligentes, a Totvs decidiu realizar protótipos com a tecnologia de pulso. 

Os testes iniciais indicam facilidades de intercâmbio dos beacons com os smartwatches em relação aos celulares. 

"A interação com o relógio causará uma ruptura menor do que com o smartphone, uma vez que a tela do smartwatch está visível o tempo todo, enquanto o aparelho de telefone, normalmente, está no bolso ou na bolsa das pessoas, fazendo com que muitas oportunidades de interação sejam perdidas pela visualização tardia da informação", explica Vicente Goetten, diretor do Totvs Labs.

Por outro lado, a tela dos relógios é menor do que a do smartphone, o que pode restringir a interação das empresas com os usuários. Por isso, a companhia está avaliando também que tipo de informação faz sentido ser enviada por meio dos beacons aos smartwatches. 

O Totvs Labs já testou a interação da tecnologia com um smartwatch disponível no mercado. 

"Esperamos uma rápida e ampla adoção dos relógios inteligentes devido à ansiedade gerada pelo lançamento previsto para 2015. Além disso, acreditamos que os beacons possuem alto potencial de implementação nas organizações de diversos segmentos até 2016", diz Goetten. 

O segmento com maior aderência aosbeacons é o varejo, no entanto, a tecnologia também deve aprimorar a experiência dos consumidores em restaurantes, hospitais, estádios, museus e instituições de ensino, uma vez que pode ser configurada conforme as necessidades das organizações.