Marcos Arante e Fabio Nunes, fundadores da Equilibrium. Foto: divulgação.

A Equilibrium, startup catarinense voltada para a gestão logística, recebeu um aporte de R$ 1 milhão em rodada liderada pela Invisto, novo hub de investimentos em venture capital da região Sul.

Durante o processo de aporte, a empresa foi assessorada pela Stark, banking focado em escalar operações financeiras de empresas tech.

A startup foi fundada em 2018 por Marcos Arante e Fabio Nunes. Arante atuou por mais de 12 anos na ArcelorMittal, onde foi gerente de logística até 2014. Depois disso, passou por empresas na mesma área e também da construção civil, além do desenvolvimento de startups.

Já Nunes é cofundador e conselheiro da Navita, especializada em gestão de mobilidade corporativa e redução de custos de TI, além de ter participado da fundação do Hi Partners Capital & Work, fundo de venture capital, e ter sido dono da Zartana, plataforma SaaS para CRM e gestão de marketing direto.

A Equilibrium tem uma plataforma que utiliza inteligência artificial para conectar empresas que têm necessidade de transporte de cargas às transportadoras, priorizando a opção com o custo-benefício mais vantajoso.

Por meio do LinkLab, programa de inovação aberta do qual faz parte, a logtech passou a fechar negócios com grandes empresas, como Havan, Hippo, Clamed e Grupo Pereira.

Com o montante recebido, os sócios esperam evoluir a tecnologia para atuar em toda cadeia de suprimentos.

“Somos uma plataforma de digital supply chain e começamos pelo segmento de transportes, onde as dores dos clientes ainda são muito grandes, mas estamos expandindo com soluções para gerenciamento das atividades de todo fluxo logístico, da separação dos produtos até a entrega aos clientes finais”, conta Marcos Arante, CEO da Equilibrium.

De acordo com a Invisto, a motivação para investir na Equilibrium vem, primeiramente, da relação de longa data com os fundadores da startup, que têm participação ativa nos programas estratégicos da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), em especial o Grupo Temático de Investimentos, dirigido por Marcelo Wolowski, CEO da Invisto.

Além disso, também foi relevante a semelhança da empresa com a Axado, investida pelo hub em 2013 e vendida para o Mercado Livre em 2016. 

“Esse triângulo entre empresários, ACATE e o Fundo é a garantia de que participamos dos negócios que a gente ajuda e a segurança de que todos os players do setor estão conectados”, afirma Marcelo Wolowski, CEO da Invisto.

A Invisto foi criada no início de julho, a partir da fusão da Bzplan com a unidade de Venture Capital da FIR Capital. Juntas, elas já aportaram mais de R$ 300 milhões em scale-ups e contam com mais de 25 cases de exit em seu portfólio.

O novo fundo de R$100 milhões tem foco no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.