PAINÉIS

Brookfield compra Aldo Solar

06/08/2021 08:23

Empresa vendeu um terço de todos os geradores que estão nos telhados do Brasil.

Aldo Teixeira.

Tamanho da fonte: -A+A

O fundo canandense Brookfield comprou por um valor não revelado 100% da Aldo Solar, a maior distribuidora de geradores solares para residências do Brasil.

Sediada em Maringá, a Aldo Solar faturou R$ 1,6 bilhão ano passado e deve dobrar o faturamento este ano.

Desde que começou a vender os geradores solares, a Aldo Solar já vendeu 160 mil unidades, o que é um terço de todos os geradores solares instalados nos telhados brasileiros.

Além da compra da Aldo, a Brookfield também está se movendo para ocupar uma posição na geração de energia solar no atacado no país.

Em 2020, uma matéria do Valor Econômico revelou que o fundo pretendia investir ao redor de R$ 4 bilhões em energia solar no Brasil.

Até 2023, a fonte solar deverá alcançar 1,5 mil megawatts (MW) de potência e praticamente igualar a capacidade instalada de outros ativos da Brookfield em energias renováveis no país - usinas eólicas ou de biomassa, hidrelétricas de maior porte e pequenas centrais (PCHs).

A Aldo era uma distribuidora de tecnologia convencional, trabalhando com marcas como Samsung, Intel, HP e Microsoft, até entrar em 2015 no negócio de energia solar, comprando os diversos componentes e montando kits orientados para o público final.

Em 2019, a empresa faturou R$ 580 milhões e pela primeira vez a linha de geradores foi a líder em participação de receita, com 49% do total.

De lá para cá, o negócio de geradores decolou e é hoje 90% do total, com 11 mil revendedores e instaladores independentes cadastrados e 70% das vendas acontecendo por meio de e-commerce, um indicador importante das possibilidades de crescimento futuras.

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), em 2020 o Brasil entrou para a lista dos 10 países com maior produção de energia solar do mundo.

Atualmente, a energia fotovoltaica representa apenas 1,8% da matriz energética nacional, o que indica um grande potencial de crescimento das soluções de geração distribuída solar no Brasil, quando comparado a outros países, especialmente considerado os altos níveis de irradiação solar.

“Trilhamos um longo caminho e temos muito orgulho do que conquistamos até aqui. Fomos um dos primeiros a acreditar no setor solar no Brasil, somos pioneiros em sustentabilidade, e essa transação vai nos ajudar a ir ainda mais longe, ampliando a oferta para um mercado em plena expansão”, afirma Aldo Pereira Teixeira, fundador e presidente da Aldo Solar.

Teixeira segue como CEO e terá um assento no novo conselho de administração.

O empresário tem uma história de vida e tanto, segundo revela o Brazil Journal, tendo fundado a empresa nos anos 1980, dentro de uma Kombi, com a qual viajava pelo Paraná vendendo materiais para conserto de televisões e rádios. 

O negócio de distribuição de tecnologia é posterior, tendo começado em 2000.

Com o Aldo Solar, Teixeira apostou num mercado com afinidades, mas também grandes diferenças com o negócio de distribuição de tecnologia. Por um lado, trata-se do mesmo modelo de intermediar a compra de equipamentos. 

Por outro, é um mercado com muito mais influência de regulação, e, quando a Solar entrou nele em 2015, ainda era verde no país.

O período entre 2014 e 2015 foi de virada para o setor de distribuição no Brasil. 

A Officer, então uma das maiores empresas do setor no Brasil, fez um pedido de recuperação financeira em 2015, inaugurando um processo do qual veio a sair, muito menor, só em 2019.

No mesmo ano, a Ação, o maior player do país, foi comprada pela Ingram, uma das líderes mundiais no setor. Ainda em 2014,  Network1 e CNT Brasil, outras duas grandes distribuidoras brasileiras, também foram adquiridas.

Era um cenário que indicava problemas futuros para players de médio porte na área, como era o Aldo, e que Teixeira contornou fazendo uma virada ousada nos negócios - o tipo de manobra que se espera de quem sabe dirigir bem uma Kombi.

Veja também

IA
Omega Energia faz previsões com IBM

As empresas criaram uma plataforma para melhorar a previsão de geração de energia renovável.

RENOVÁVEL
Panvel aposta em energia solar

Projeto é nova frente da SKA, conhecida pela atuação com tecnologia para indústria.

APOSTA
Ambev investe na Lemon Energia

Startup atua como intermediária entre geradores de energia limpa e pequenos negócios.

ENERGIA
EDP cria e-commerce para divisão residencial

Portal criado pela Programmer’s vende de placa solar a instalação de ar condicionado.

TELECOM
Vivo vai produzir 80% de sua energia

Com modelo de geração distribuída, operadora terá usinas em todas as regiões do Brasil.

ENERGIA
Intelbras: usina fotovoltaica no teto da fábrica

Os 8.238 m² de cobertura de filtros e painéis solares devem gerar 1739 MWh neste ano.