Fazer o quê, né Eike? Foto: Reuters

O BNDES está atrás de um novo sócio para substituir o grupo EBX, de Eike Batista, na participação acionária da SIX Semicondutores, indústria de chips em construção em Minas Gerais.

Principal acionista da Six, a EBX tem a desvantagem de pertencer ao Grupo X, de Eike, que em julho anunciou um plano de desmembramento, com a venda de empresas e projetos, diluições de participações e renegociações de dívidas.

Na fábrica de semicondutores, EBX e BNDES dividem o mesmo percentual de participação acionária - 33,02% cada.

O negócio, que leva investimentos da ordem de R$ 1 bilhão e deve começar a produzir em março de 2015, também tem participações de IBM (18,08%), Matec Investimentos (6%), Infinita WS-Intecs (6%) e BDMG (7,2%).

Agora, a provável bancarrota de Eike motiva o BNDES a partir em busca de um novo sócio que não desvalorize os R$ 245 milhões investidos pelo banco no negócio, mais o financiamento de R$ 267 milhões que aprovou para a fábrica.

Até o momento, a procura do banco por um novo sócio não foi confirmada nem pelo BNDES, nem pela EBX, que, contatados pelo Estadão, afirmaram que não vão se pronunciar.