ECONOMIA

FMI prevê queda de 3% para o Brasil

06/10/2015 15:21

O FMI revisou a previsão para a economia brasileira em 2015. Foto: mikeledray/Shutterstock.

Tamanho da fonte: -A+A

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou sua previsão para o desempenho da economia brasileira em 2015. Os técnicos agora preveem uma retração de 3%, o dobro da estimativa anterior. 

Para 2016, as previsões também são negativas. No último relatório, o FMI apontava que o Brasil cresceria 0,7%. No entanto, o boletim atualizado acredita em uma queda de 1,7%.

Essa não é a primeira vez que o fundo reduz suas expectativas para o crescimento do país. No relatório de abril, a previsão era de queda de 1% do PIB brasileiro em 2015 e de alta de 1%, em 2016. No relatório de janeiro, o FMI estimava que a economia avançaria 0,3% em 2015 e 1,5%, em 2016.

“No Brasil, a confiança dos empresários e dos consumidores continua a recuar, em grande parte por causa da deterioração das condições políticas, e os investimentos estão caindo rapidamente”, disse o FMI.

A organização prevê que a inflação no Brasil chegue a 8,9%, acima do teto de tolerância do Banco Central, de 6,5%. 

As perspectivas também são desfavoráveis para a América Latina como um todo. Neste ano, a economia do bloco deverá recuar 0,3% e no próximo, deverá crescer 0,8%.

O grupo dos países emergentes e em desenvolvimento também viu a estimativa do FMI recuar. Ainda assim, os números não são negativos. Para este ano é previsto um avanço de 4%, e para 2016, de 4,5%.

Diante da redução da expectativa de crescimento de grande parte dos países, as previsões de avanço da economia mundial também foram reduzidas para 3,1% e 3,6%.

"Esses números agregados refletem destinos diferentes entre as economias avançadas e as em desenvolvimento. Para as economias avançadas nós projetamos uma aceleração moderada do crescimento este ano frente ao ano passado, especialmente nos Estados Unidos e na zona do euro”, completa Obstfeld.

Veja também

ECONOMIA
PIB do Brasil cai 1,9% no 2º trimestre

Para o período, os economistas esperavam uma queda entre 1,4% e 1,9%.

PESQUISA
91% dos gaúchos não querem mais impostos

É o que aponta uma pesquisa encomendada pela Fiergs ao Instituto Methodus. 

OPORTUNIDADE
SP: 25% das salas estão vazias

A situação é resultado do grande oferta de novos edifícios comerciais, aliada à crise econômica.

PREVISÃO
Setor de contact center crescerá menos

A expansão de 5,07% prevista no início de 2015 baixou para 4,61%.

VENDAS
Mercado de PCs segue em queda livre

A venda de PCs caiu 38% no Brasil no segundo trimestre de 2015.

APP
Poupatempo: SP quer acesso gratuito

O governo está conversando com as operadoras de telefonia móvel para viabilizar o projeto.