O banco é uma das principais instituições financeiras federais de fomento. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Criado há quase 80 anos com o nome de Banco de Crédito da Borracha, tinha originalmente como objetivo apoiar financeiramente a produção de borracha e revigorar os seringais nativos da Região Amazônica, estagnados por décadas. 

Seu nome foi atualizado para Banco da Amazônia S/A, ou simplesmente BASA, assim como seu objetivo, de cuidar do desenvolvimento de uma área tão importante para o Brasil e para a economia mundial: a Amazônia Legal, composta por 772 municípios distribuídos nos estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão, correspondente a cerca de 58,9% do território brasileiro.

O BASA é uma das principais instituições financeiras federais de fomento e possui papel relevante tanto no apoio à pesquisa quanto no crédito de fomento, respondendo por mais de 60% do crédito de longo prazo da Região. 

Com mais de 120 agências distribuídas em 09 estados diferentes, incluindo, o Distrito Federal e São Paulo, o Banco da Amazônia é focado na região Região Norte do Brasil e sua presença é vital e estratégica para o desenvolvimento econômico dos empreendimentos rurais e urbanos da região. 

Com a missão de desenvolver uma Amazônia Sustentável com crédito e soluções eficazes, o BASA se mantém firme e forte ao longo das décadas, mantendo-se sempre o mais próximo possível de seus clientes e trazendo-lhes o máximo de qualidade.

Desde 2011 o Banco iniciou uma guinada, estabelecendo diretrizes para sua transformação digital com uma infraestrutura tecnológica mais atualizada e condizente com sua realidade. À época, foram adquiridos roteadores, firewalls, switches, access points, segurança para os endpoints do banco, além de criação de site backup. A modernização não se limitou somente à sede do banco, mas também às suas agências.

Mas a tecnologia não para de evoluir, principalmente quando falamos de serviços financeiros. O ano de 2015 foi de reflexão e alinhamento de estratégia, pois, quanto mais a tecnologia evolui, mais precisamos cuidar da segurança e disponibilidade.

A partir de 2017, a preocupação com os ataques cibernéticos e com a estratégia do banco de melhorar ainda mais a oferta de serviços aos seus clientes, foi iniciada uma nova jornada de atualização, sempre com atenção aos custos. Uma das iniciativas foi a contratação de novos Firewalls NG da Cisco, da linha Firepower, aumentando o desempenho, facilitando o uso e dando maior visibilidade e abrangência para detectar e conter ameaças com mais velocidade.

Foi implantada também a solução SD-WAN, por meio dos equipamentos Cisco Meraki, proporcionando menor tempo de resposta e facilitando o gerenciamento remoto dos serviços, identificação das necessidades do usuário e priorização da largura de banda, sendo capaz de conquistar mais segurança de rede e proteção dos dados, além de experiências de aplicação aprimoradas, que beneficiam os usuários.

Agora o BASA tinha outro grande desafio a superar dentro da sua jornada de atualização: o core de rede. 

Para este projeto, a equipe do Banco começou a estudar as melhores opções de mercado e escolheu a solução integrada Cisco ACI (Application Centric Infrastructure) com a linha de switches Nexus 9000. A Cisco apoiou o estudo e pôde comprovar as inúmeras vantagens que o Banco teria com a implantação desse tipo de solução.

Segundo Edney Fernandes, coordenador de redes e telecomunicações do BASA, um fator importante para a escolha da solução Cisco ACI foi a sua “atualização”. Com a sua longa vida útil somada à confiabilidade da Cisco, o BASA acredita que terá bastante tempo para aproveitar a tecnologia sem que ela se torne obsoleta. 

Como a equipe técnica do banco é reduzida, a gestão centralizada através da administração de políticas de segurança de empresas a partir de um único painel de controle e o ganho na eficiência operacional também foram características importantes do Cisco ACI para o BASA. 

A flexibilidade da solução por meio da programabilidade de rotinas, automação centrada em aplicativos para políticas de segurança e integração através de console unificado, que suporta todas as plataformas de empresas líderes, são essenciais para o cotidiano da área técnica do banco, pois contribui diretamente para o aumento da eficiência operacional da área.

Como já citado, o BASA tem uma grande responsabilidade de atender uma enorme área geográfica e os lugares mais longínquos, precisando que a solução seja robusta, tolerante a falhas, e redundante para que as agências mais distantes tenham condições de acessar os serviços bancários, mesmo com links de comunicação precários, reduzindo a perda de conexão e possibilitando ganho de velocidade e performance. Todos esses requisitos foram encontrados no Cisco ACI.

O ACI ainda integra o ambiente e propicia maior facilidade e segurança para a adoção de cloud no BASA, que está nos planos do banco, para melhorar ainda mais os serviços web e móveis. A utilização de nuvem pelo banco é importante pela geografia de atendimento dos seus clientes, que precisam cada vez mais de agilidade e velocidade em suas aplicações. O Cisco ACI é modular e muito alinhado à DevOps.

O projeto começou a ser implantado no início de 2020 e ainda no seu início foi surpreendido pela pandemia do COVID-19. O que já era complexo de implantar, pois tinha que ser feito “à quente”, com os equipamentos antigos ainda em funcionamento, ganhou a dificuldade imposta pelo distanciamento social. Mas desafios existem para serem superadas, e foi o que aconteceu.

O BASA aproveitou o momento para eliminar lacunas e implementar um conjunto de melhorias no novo ambiente, ao mesmo tempo em que se via implementando o PIX, regulado pelo Banco Central do Brasil. 

“Com esta nova funcionalidade, o banco precisaria, mais do que nunca, da robustez e da segurança para a automação bancária necessária para cumprir os requisitos da regulação, como o limite de até 3 segundos para a efetivação da transação via PIX”, relata Edney.

O Cisco ACI provê toda a otimização e segurança necessária para a rede do BASA, estendendo a microssegmentação por redes físicas, virtuais e de nuvem, automação de camada 4 a 7 e o uso de um modelo de políticas baseado em lista segura (whitelist), por exemplo. 

As equipes de implantação da Teletex e da Cisco, junto à equipe técnica do BASA, se reuniram, por vezes de forma remota, para que o planejamento fosse o mais detalhado possível, fazendo com que a migração acontecesse com informação e muito conhecimento de causa.

“A implantação do ACI foi desafiadora, mas o compromisso e o comprometimento das equipes superaram as expectativas. Com o Cisco ACI a minha gestão ficou 40% mais eficiente”, conta Edney. 

Durante a implantação do projeto, através de fase de transferência de conhecimento e das sessões de adoption, o time do BASA foi capacitado pelas equipes da Teletex e da Cisco em todas as funcionalidades planejadas inicialmente e preparado para atuar de forma autônoma com o Cisco ACI. 

Para corroborar ainda mais com a autonomia do banco quanto ao uso e gestão da solução, houve treinamentos oficiais da Cisco para a equipe técnica.

Hoje o Banco da Amazônia está mais ousado e ocupando papel de destaque devido o uso do Cisco ACI, oferecendo aos seus clientes serviços com mais qualidade, disponibilidade, segurança e agilidade, enquanto oferece para as agências e demais setores a certeza de uma infraestrutura robusta e veloz para a realização de suas atividades.

Cisco ACI é a ponte entre o BASA e seus clientes dispersos por toda a Amazônia Legal.

Sobre a Teletex: Firmando parcerias com fabricantes líderes do mercado em seus segmentos, a Teletex IT Solutions possui um amplo portfólio de soluções e conta com profissionais que possuem qualificações de alto nível para atender com excelência e efetividade, garantindo o desenvolvimento dos melhores resultados aos seus clientes. Contato: www.teletex.com.br