UNIÃO

Regionais da Assespro fazem aproximação

07/07/2021 06:04

Ações conjuntas entre as regionais da entidade no RS, PR, RJ e AL. 

Lucas Ribeiro, presidente da Assespro-PR.

Tamanho da fonte: -A+A

As regionais da Assespro no Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Alagoas estão desenvolvendo ações conjuntas visando atingir todos seus 525 associados, uma parte importante do total de 3 mil da entidade no país.

As quatro regionais têm penetrações similares nas áreas de atuação, com o Paraná liderando no número total de associados, com 172, seguido do Rio de Janeiro (165), Rio Grande do Sul (159) e Alagoas, um estado com população menor em relação aos demais, com 29.

Fundada em 1976, a Assespro opera através de 13 regionais incluindo também São Paulo, Bahia, Minas Gerais, Distrito Federal, Pernambuco, Paraíba, entre outras.

Na prática, as regionais da Assespro estão abrindo a participação nos seus eventos para associados dos demais estados, o que é facilitado pelo fato de quase tudo acontecer agora no meio digital. 

Já foram feitas apresentações de startups para potenciais interessados no setor de saúde, mini cursos e encontros visando fomentar parcerias entre as empresas. 

Também estão sendo replicadas iniciativas, como o conselho de mulheres criado na Assespro-PR.

“Nessas agendas visamos buscar ações de interesse das nossas regionais. Possuímos diferenças locais, é fato; mas o setor é o mesmo, as dificuldades podem ser iguais nas áreas tributárias, trabalhistas, mercado e formação de capital humano. Vamos ajustar e trabalhar em conjunto”, afirma o presidente da Assespro-RS, Julio Ferst.

O setor de TI tem tradicionalmente muitas entidades representativas (o que nem sempre corresponde com ter representatividade), entre sindicatos patronais como a Assespro e uma nova leva de “ecossistemas” que também tem influência política.

Nos últimos tempos, parece estar começando um movimento de consolidação, pelo menos na base, algumas vezes até de uma maneira mais drástica do que o feito pelas regionais da Assespro.

Em dezembro do ano passado, por exemplo, a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) assumiu o papel de representante da Assespro Nacional em Santa Catarina.

A movimentação foi precedida pela decisão de fechar as portas da Assespro-SC, tomada no final de outubro de 2020. 

Tanto a Assespro-SC quanto a Acate foram fundadas no mesmo ano, 1986, a primeira com empresas de Blumenau e Joinville, os dois principais polos de tecnologia do estado, e a segunda em Florianópolis.

A trajetória das duas entidades, no entanto, é bem diferente. Na última década, a Acate decolou e tem hoje 1,2 mil associados e uma atuação nacional.

“O setor de inovação é estratégico para a retomada da economia e para o desenvolvimento do país. Essa união parte deste entendimento e proporciona contribuição decisiva a esse processo”, afirma o presidente da Assespro-PR, Lucas Ribeiro.

Veja também

CÉUS
Pandemia derruba anjos

Investimento anjo caiu 20% no Brasil em 2020, ano no qual fundos tiveram recorde.

TRABALHO
TST decide contra pejotização

Decisão sobre funcionário da Rede TV pode ter grande impacto futuro no setor de TI.

FORÇAS
Instituto Hélice e Trino Polo têm acordo

Entidades têm agenda comum de temas prioritários para inovação na Serra Gaúcha.

LEIS
Porto Alegre inova no ISS

Programa Creative quer atrair empresas de tecnologia para a capital gaúcha.

CIDADES
Batistela é diretora na Anciti

Associação Nacional das Cidades Inteligentes tem 50 fundadores.

DISPUTA
CNPD entra na fase de mata-mata

Setor de TI disputa indicação de Bolsonaro com entidades do setor de comunicação.