VAZAMENTO?

MPDFT investiga segurança da Stone

07/11/2018 17:49

Partes do código-fonte do programa proprietário utilizado nos sistemas da empresa foram tornados públicos. 

Partes do código-fonte do programa proprietário utilizado nos sistemas da Stone foram tornados públicos. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Unidade Especial de Proteção de Dados e Inteligência Artificial do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou procedimento administrativo na terça-feira, 6, para investigar um eventual incidente de segurança da Stone Pagamentos.

A companhia oferece soluções de pagamentos online e é responsável pelos sistemas Pagar.me, PSP Solution e Plataforma Stone.

Conforme informações prestadas pela empresa à Securities and Exchanges Comission (SEC) dos Estados Unidos, partes do código-fonte do programa proprietário utilizado em seus sistemas foram tornados públicos. 

Os responsáveis pela divulgação teriam solicitado dinheiro para evitar a publicação de outras partes do código. 

Segundo os responsáveis pela companhia, não há indícios de que dados pessoais de clientes tenham sido acessados.

Em comunicado divulgado pela Reuters, a Stone afirma que “não foi formalmente notificada pelo Ministério Público, de modo que desconhece o teor das investigações. Se notificada, prestará os devidos esclarecimentos às autoridades”.

A investigação foi aberta no mesmo dia em que o Ministério Público divulgou ter concluído um inquérito de quase dois meses relativo à empresa de crédito Boa Vista SCPC. A investigação apontou que não houve vazamento de dados da empresa de análise.

O MPDFP está em uma fase de grande atividade em relação a investigações em empresas do setor de tecnologia.

Em setembro, a Comissão de Proteção de Dados Pessoais instaurou um inquérito civil público para investigar a obtenção de dados pessoais de brasileiros pela In Loco Media.

Recentemente também foram iniciadas investigações semelhantes na fintech Banco Inter e na varejista C&A.

Veja também

CHAMADAS
TIM multada em R$ 50 milhões

Plano Infinity foi considerado prejudicial para os consumidores.

REFORÇO
Matos, ex-Startup Farm, está na In Loco

O profissional é um reforço de peso em um momento em que a In Loco atravessa uma situação complicada.

GEOLOCALIZAÇÃO
MPDFT investiga uso de dados da In Loco

A startup pernambucana tem um sistema de geolocalização de ambientes internos e externos.

SEGURANÇA
MP: dados vazaram do Banco Inter

O Ministério Público pede a condenação do banco ao pagamento de R$ 10 milhões.

PUBLICIDADE
Vivo é investigada por uso de dados

O objetivo é apurar como a operadora utiliza as informações de 73 milhões de usuários para fins publicitários.