Márcio Jappe e Guilherme Masseroni, da GetWay. Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

A canoense GetWay, startup que criou uma solução para analisar grandes volumes de dados, foi a vencedora da etapa América Latina do SmartCamp, programa global de empreendedorismo da IBM.

Junto com a Mode, empresa do Quênia que estava como convidada na etapa da América do Sul, os gaúchos estarão representados na etapa final no mês de fevereiro de 2013, em Nova York.

Durante o ano de 2012, a IBM avaliou mais de 200 startups em várias capitais do Brasil, bem como empresas de outros países da América Latina e África do Sul, para entender seus modelos de negócios e identificar oportunidades para integrar tecnologia IBM em seus processos.

No evento de seleção dos vencedores, que iniciou terça-feira, 04, em São Paulo, a equipe da startup recebeu mentorias de executivos da IBM e realizou apresentações sobre o produto.

Guilherme Masseroni, fundador da empresa, participou de todas as etapas e conta que os executivos se impressionaram muito com a tecnologia criada por ele.

“O que mais ouvimos foi a frase 'oh, man!'. Inicialmente, os engenheiros não acreditaram na velocidade que o nosso projeto funciona”, diz.

Depois que os arquitetos compreenderam a tecnologia da GetWay, decidiram tornar-se parceiros da empresa de Canoas, que agora pode ser chamada por qualquer um dos 40 centros de inovação da IBM para parcerias.

Para a final  Masseroni espera multiplicar o conhecimento e as melhorias do produto. Do início da semana até esta sexta-feira, 07, já forma sete contatos de fundos de investimentos e diversos clientes interessados na aplicação.

“Quando fomos anunciados vencedores, eu fiquei paralisado, não acreditei. O susto não foi por não acreditar na nossa capacidade, mas pelo alto nível dos nossos concorrentes”, revela.

O IBM SmartCamp Brasil, lançado em 2011, captou mais de US$ 65 milhões em capital de risco. Nos últimos seis anos, a IBM diz ter engajado mais de 1,5 mil startups em todo o mundo e auxiliou a entrada de tecnologias inovadoras no mercado.

A STARTUP
Com investimento de R$ 120 mil da Finep, mais R$ 70 mil do próprio bolso do idealizador, a GetWay iniciou em 2009, em uma sociedade com Tiago Rodrigues.

Atualmente, a empresa conta com uma equipe de sete pessoas que desenvolvem  uma solução que é capaz de analisar grandes volumes de dados e permite a qualquer tipo de indústria monitorar dados de vendas em tempo real - ideal para varejistas em trabalho remoto.

Para o desenvolvimento da startup, os sócios contaram com o aporte da Semente sementenegocios.com.br, aceleradora que tem participação em resultados e preferência de compra de ações no estilo americano.

Masseroni era sócio de uma pequena agência de publicidade e, ao desenvolver material de RI (Relacionamento com o Investidor) percebeu que até uma grande empresa do varejo de calçados. não tinha a informação de quantos calçados foram vendidos para o cliente final.

Especializando-se em varejo, o empreendedor criou a GetWay para capturar em tempo real o comportamento de venda nos pequenos e médios varejistas. É possível monitorar áreas como logística, produção, marketing e vendas. “É possível chegar a precisão de qual era a temperatura no local de venda de um picolé, conhecendo cenários até hoje ainda não conhecidos com esta precisão”, exemplifica.

A empresa diz que a tecnologia é instalada em hardwares e softwares sem que os sistemas sejam modificados, “preservando questões legais de cada estado e a implementação pode ser realizada por uma equipe não técnica e em cinco minutos no máximo”.

No minuto seguinte, o aplicativo da GetWay já está recebendo as informações de venda sell out dos estabelecimentos comerciais.

Confira o vídeo que explica a funcionalidade: