Cirano Silveira.

A HP Inc, parte da nova HP que ficou com os negócios de computação pessoal e impressão, vai ampliar seu time de pesquisa e desenvolvimento no Brasil neste ano, com a contratação de 50 pessoas para os centros localizados em Porto Alegre e São Paulo.

As oportunidades incluem cargos nos níveis profissionais júnior, pleno e sênior, com inglês fluente e preferência para profissionais com mestrado. Entre os campos de pesquisa da HP Inc no país estão  impressão 3D, realidade ampliada, wearables e mobilidade.

Não é possível dizer com precisão qual é o impacto das contratações no time interno da HP Inc. A empresa não abre qual é o total dos seus funcionários trabalhando com P&D no país, apenas que o “ecossistema de inovação” conta com 850 colaboradores.

A diferença de uma coisa para outra é que o ecossistema conta professores e bolsistas em 17 instituições de ensino brasileiras como PUC-RS, Feevale, Universidade Federal do Ceará, UFPE, UFMG, UFRJ e centros de pesquisa como Eldorado, CPqD, CITS e CTI. 

Supondo que a divisão seja meio a meio e a HP tenha 425 colaboradores em atividades de pesquisa, o acréscimo a ser contratado nas próximas semanas significaria um aumento de 10%, o que já é chamativo em um momento de cortes de custos e empregos no setor de TI.

Cirano Silveira, diretor de Pesquisa & Desenvolvimento da HP Inc, afirma que o aumento é “significativo” e parte de uma escalada global de pesquisa da HP Inc, como forma de se manter relevante nos mercados nos quais atua e abrir novas oportunidades.

De acordo com Silveira, a HP investiu R$ 500 milhões em pesquisa e desenvolvimento nos últimos 5 anos no país, das quais apenas a metade é parte da obrigação de investimento local como contrapartida para benefícios fiscais na produção de equipamentos no país.

“Participamos de atividades de ponta dentro da HP Inc tanto a partir do Brasil como com brasileiros que estão fazendo carreira fora do país”, comenta Cirano, citando como exemplo a interface do smartwach da HP, a partir da qual alguns dos funcionários envolvidos teriam ido trabalhar na matriz.

A HP Inc também criou parte do SDK do Sprout, o PC futurista da multinacional que combina projeção, toque e outras funcionalidades extra e está trabalhando no momento em pesquisas sobre impressão 3D, um mercado no qual a HP Inc deve entrar em breve.

Com os mercados de PCs e impressão em queda, parece que criar novas fontes de receita ou maneira de revitalizar as antigas será cada vez mais vital para o futuro da HP Inc. 

O histórico de pesquisa da HP no país começa ainda em 1999, quando foi feita a joint venture com a Edisa, uma empresa gaúcha então atuante nos mercados de PCs e ATMs, na qual Cirano já trabalhava. 

Em 2003, a HP se tornou uma das primeiras âncoras do recém-fundado Tecnopuc, parque tecnológico criado pela PUC-RS na área de um antigo quartel em Porto Alegre (a HP assumiu o prédio do antigo comando, diz a lenda que para a desilusão do professor Jorge Audy, que queria colocar a gestão do parque onde ficavam os generais).