POR DENTRO

IBM: mais regionalização com PR, SP e RJ

08/05/2012 11:05

Multi expande presença em Maringá, Macaé e em todo o Vale do Paraíba.

Foto: Flickr / Patrick H~

Tamanho da fonte: -A+A

Três novas localidades acabam de entrar para a área de cobertura da estratégia de expansão regional da IBM no Brasil: Maringá, Macaé e a região do Vale do Paraíba, que compreende o interior de São Paulo e algumas cidades do Rio de Janeiro.

Com isso, sobe para 38 o número de praças cobertas pela estratégia, que iniciou em 2010 e visa a montagem de estruturas de atendimento por meio de funcionários diretos dedicados ou parceiros de negócios, que hoje chegam a dois mil em todo o país.

Segundo Célia Zappa, líder de Expansão Regional da IBM Brasil, o objetivo é reforçar a presença em regiões onde o mercado está aquecido, com potencial de negócios em TI principalmente nos setores de infraestrutura, varejo, finanças, telecom, saúde e educação.

“Desde 2008, a IBM aumentou em quase 30% o número de cidades-foco no Brasil”, conta Célia. “Para atuar nas novas praças, operamos um modelo de prestação de serviços presencial e online, o que permite aos clientes serem atendidos em qualquer localidade, com custo competitivo”, completa.

Ainda segundo a executiva, a estratégia de expansão se baseia no cenário promissor da TI brasileira desenhado por análises como as da IDC, segundo a qual este mercado deve crescer cerca de 10% em 2012; e do Gartner, que apontam que as companhias da América Latina vão investir US$ 384 bilhões em TI este ano, no que o Brasil terá fatia de 40%.

O plano, que já incluiu também a abertura de Centros de Continuidade de Negócios e Resiliência em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, além da captação de parceiros em cidades menores, como no Sul já são exemplos Caxias do Sul, Joinville e Londrina, passa também por alianças com desenvolvedores independentes e instituições de ensino.

Em 2011, o Smart Professional, iniciativa que reúne profissionais, professores e estudantes universitários para capacitação em tecnologias IBM, teve quase sete mil participantes e certificou mais de duas mil pessoas em 14 universidades de todo país.

“Os temas da capacitação são definidos pelas empresas da região, o que garante sua adequação às necessidades locais. Este ano, novas instituições em todo o país farão parte do programa”, garante Célia.

A expansão foca tecnologias e serviços como cloud computing, terceirização de infraestrutura, data center, storage, servidores e softwares para gestão da informação, colaboração e segurança.

Tecnologias de “cidades inteligentes”, com foco nas cidades–sede da Copa de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016, também serão enquadradas.

A estratégia não se atém ao Brasil: globalmente, a expansão regional da IBM também engloba Rússia, Índia, China, partes da Ásia, África e Oriente Médio, América Latina, Europa Central e Leste.

Esses mercados fazem parte da unidade de Growth Markets da IBM, que em 2011 representou 22% da renda da companhia, segundo Célia.

“A expectativa é que seu rendimento corresponda a 30% da receita da IBM até 2015”, comenta a executiva.

Veja também

IBM: consultoria grátis entre emergentes

Desde fevereiro, a IBM já enviou 36 executivos para passar três semanas dando consultoria em quatro cidades de países emergentes, como Rio de Janeiro e Chengdu, na China.

Segundo o jornal Valor Econômico, as consultorias gratuitas fazem parte da estratégia para impulsionar os negócios da empresa nesses mercados. Leste Europeu, África e Oriente Médio também estão na rota dos executivos da companhia.

IBM: cidades menores para pegar as pequenas

A IBM projeta aumentar em três dígitos as vendas no segmento SMB em 2011.

Para isso, a estratégia se baseia em soluções baratas, é claro, mas não só: um dos principais pilares é a capilarização do atendimento, com foco fora dos grandes centros.

IBM: cinco inovações que mudarão as cidades
A IBM anuncia nesta quinta-feira, 07, a nova edição da lista anual “IBM Next 5 in 5", que desta vez traz as cidades como foco.
IBM compra desenvolvedora de apps

A IBM anunciou um acordo definitivo para a compra da Worklight, desenvolvedora de softwares para dispositivos móveis com sede em Israel. O valor do negócio não foi divulgado.

A aquisição será utilizada para reforçar o portfólio de aplicações de segurança, gestão e integração.

Além disso, é estratégica para o crescente mercado de mobilidade, especialmente com a consumerização da TI nas grandes empresas.

IBM compra startup desenvolvedora de HTML5

A IBM adquiriu a startup israelense WorkLight, que desenvolve aplicativos mobile usando HTML5.

O valor da transação ainda não foi confirmado, mas estima-se que tenha sido entre US$ 70 milhões e US$ 95 milhões, conforme publicação do TechCrunch.