Essa é a SenseBall. Foto: divulgação.

O São Paulo FC anunciou a implantação em sua escola de futebol a metodologia SenseBall, que usa tecnologia nos treinamentos dos atletas, para que eles tomem decisões mais rápidas e realizem jogadas com maior precisão.

Criado por profissionais belgas e usado em clubes de ponta no futebol europeu como Ajax, Barcelona e Milan, a Senseball usa uma tecnologia simples, ligando a bola a uma manopla por um cabo.

No entanto, com o uso da tecnologia, um jovem jogador pode chegar a tocar a bola cerca de 500 mil vezes ao ano em seu treinamento, enquanto que em condições normais, essa média fica em 50 mil. Com isso, os jovens atletas tem ganhos em sua capacidade de controle da bola e decisão rápida no toque.

“Com a SenseBall os jogadores exercitam diversos elementos essenciais para o jogo”, afirma Claudio Sparapani, proprietário de duas escolas do SPFC, entre elas a escola piloto do clube.

Denominado SenseBall-CogiTraining, o método foi elaborado durante cerca de 15 anos em colaboração com a Universidade de Louvaina e é totalmente centrado na função cerebral.

“Os treinadores estão entendendo que o jogo de alto nível não é mais baseado somente em potencial atlético, mas também no potencial cerebral do atleta. Ter a capacidade de tomar decisões mais rápidas em movimento só é possível através de processos de antecipações cerebrais", afirma Michel Bruyninckx, um dos criadores do método.

Assim como clubes vem investindo em tecnologias para uso dentro do campo, outros também investem fora das quatro linhas para contarem com tecnologias de ponta.

Um exemplo é o dos ERPs, que estão entrando na mira dos clubes de futebol. No final do ano passado, o Palmeiras adquiriu a solução Business One, o ERP para pequenas e médias da SAP. A Totvs, rival da SAP no país, emplacou seu sistema de gestão em clubes como Internacional, Cruzeiro e Botafogo.