ELEIÇÕES 2016

Marchezan quer mexer na Procempa

08/09/2016 13:10

Candidato falou dos seus planos durante uma reunião com representantes de entidades de TI.

Marchezan falou com empresários do setor de TI. Foto: Eduardo Beleske.

Tamanho da fonte: -A+A

Nelson Marchezan, candidato a prefeitura de Porto Alegre pelo PSDB, se mostrou disposto a rever o papel da Procempa, estatal municipal de processamento de dados, durante encontro com entidades de TI gaúchas nesta terça-feira, 06.

“A Procempa é cara, mais cara do que Porto Alegre pode pagar”, disparou Marchezan, depois de listar o que vê como problemas na empresa como altos salários “50 pessoas ganhando R$ 50 mil, operadores de call center ganhando R$ 8 mil” e o alto custo dos serviços oferecidos “R$ 650 por ponto de rede, incluindo conexão e sistemas”.

Marchezan não falou quais seriam seus planos para a estatal, afirmando que “sinceramente, não sabia o que fazer com a Procempa”, preferindo questionar os presentes sobre se eles achavam que os valores cobrados estavam dentro da realidade de mercado.

Em um comentário não relacionado diretamente à Procempa, mas que também teria impacto na empresa, Marchezan se disse “contra novos concursos públicos, especialmente na área de TI”, e, entre as poucas críticas diretas que fez à atual administração foi ter “concedido aumentos que eu não teria concedido ao funcionalismo”.

O problema dessas decisões, apontou Marchezan, é que elas aumentam gastos fixos em um momento em que a prefeitura se aproxima de entrar no vermelho. “Se os gastos superam a arrecadação, o governo vai aumentar impostos. É demagogia dizer o contrário. Precisamos controlar os gastos públicos”, resumiu o candidato tucano.

Marchezan, provavelmente antevendo a oposição dos setores organizados do funcionalismo público a esse tipo de retórica, apontou que “sem apoio da sociedade é impossível mudar nada”. “Se os setores que tem educação e influência não se mobilizam, eles não podem botar a culpa depois no seu João e na dona Maria”, resumiu o deputado.

Os comentários de Marchezan se deram em meio a uma conversa alguns tons de franqueza acima do que se espera de políticos em campanha (políticos mais experientes ensaiam muito para parecerem tão espontâneos), dentro do estilo direto que tornou Marchezan uma figura conhecida na bancada gaúcha da Câmara de Deputados. 

Ouvindo as reclamações dos presentes sobre a intenção do governo do Rio Grande do Sul de tributar software com um ICMS de 5%, medida com a qual será gerada uma bitributação, uma vez que as companhias do segmento já pagam o ISS municipalmente, Marchezan deu uma resposta taxativa, e, de certa forma um diagnóstico certeiro do problema de falta de representatividade política da área de TI.

“Isso é um absurdo, mas com os problemas financeiros do estado, vai acabar passando. O setor se mobilizou financeiramente para eleger um deputado estadual? Vocês já colocaram 300 pessoas no Piratini para reclamar?”, questionou o candidato a prefeito.

Marchezan tem prestigiado o setor de TI da capital. Na semana passada, esteve reunido com empresários na Assespro-RS. No encontro com o CETI, participaram também o candidato a vice, o advogado Gustavo Paim (PP), assim como o coordenador do seu programa político. 

O apreço parece ser mútuo: participaram da janta 25 pessoas, o que seria um petit comite na maioria dos casos, mas é uma pequena multidão quando o assunto é TI gaúcha.

Marchezan, que se elegeu deputado estadual com 92 mil votos em 2010, é um dos quatro candidatos com chances de vencer a disputa pela prefeitura de Porto Alegre.

A primeira pesquisa Ibope de intenção de voto para a prefeitura colocou Marchezan em terceiro lugar, com 12%, atrás de Luciana Genro (PSOL) e Raul Pont (PT), com 23% e 18%, respectivamente. 

O tucano é seguido de perto por Sebastião Melo (PMDB), com 10%. Com a margem de erro de 4% para mais ou para menos, a corrida está bastante embolada.

Marchezan disse na reunião ter entrado na corrida pelo apoio recebido de empresários ligado ao Movimento Brasil Livre, do Vem para Rua e outras entidades organizadoras dos protestos a favor do impeachment. O apoio se reflete no caixa de campanha.

De acordo com um levantamento feito no site do Tribunal Superior Eleitoral pelo jornalista André Machado, da Band, o tucano é líder em arrecadação até o momento, com R$ 410 mil em caixa.

Ele é seguido de perto por Melo, o atual vice prefeito da capital, com R$ 318 mil e tem o dobro de Luciana e Pont, ambos na faixa dos R$ 200 mil.

Veja também

FIM
BITS está cancelada

Organização atribuiu a decisão à crise econômica. Feira não vinha bem há tempos.

PARADEIRO
Onde anda Marina Silva?

Ex-candidata esteve em evento em Porto Alegre em evento da Fundação Dom Cabral e aproveitou para cutucar a presidente Dilma Rousseff.

OBRAS
Centro de inovação de Blumenau atrasa

A assinatura da ordem de serviço para a obra não tem data para ocorrer. 

ENTIDADES
Letícia Batistela assume CETI

A advogada e empresária substitui o diretor presidente da Softsul, José Antônio Antonioni.

CRISE
Entidades de TI em cima do muro

Brasscom, Assespro Nacional, Abes e Fenainfo pediram uma solução que resolva o impasse no país.