António Nunes, CEO da Angola Cables. Foto: Divulgação.

A Angola Cables acaba de se tornar um parceiro da Microsoft ExpressRoute para atender projetos de organizações africanas que migram aplicativos de negócios e infraestrutura de TI para a nuvem, tendo em vista a aceleração da transformação digital no continente. 

A Angola Cables aproveita a integração junto à plataforma de nuvem Microsoft Azure para criar o ACloud Connect e, com isso, fornecer conexões a uma rede mundial formada por 42 regiões que contam com a ferramenta Microsoft Azure, assim como conexão com o Angonap, data center da Angola Cables localizado em Luanda.

Ao oferecer links Ethernet dedicados entre as infraestruturas dos clientes e os centros de dados do Azure, dentro da rede IP / MPLS da Angola Cables, o ACloud Connect irá interligar o continente africano ao resto do mundo. 

Inicialmente, a empresa estará focada em atender as organizações com sede em Angola e África do Sul.

“Nós vemos a ACLoud Connect como uma extensão natural das próprias infraestruturas de TI de nossos clientes. Além de se beneficiar da escala e da economia da Microsoft Azure, os clientes baseados na África também devem aguardar por serviços de baixa latência", explica António Nunes, CEO da Angola Cables.

A Angola Cables é uma multinacional de telecomunicações fundada em 2009 . A empresa é uma das maiores acionistas da WACS (West African Cable System), que fornece serviços a operadores na África e Europa.

Seus principais novos projetos – SACS e Monet – correspondem a cabos que vão interligar três continentes: América do Sul, América do Norte e África. Há ainda o projeto do data center de Fortaleza, uma instalação de tipo Tier III que interligará seus sistemas de cabo, criando uma rede internacional.