Ronaldo Miranda. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Em um processo interno de reestruturação em 2014, a distribuidora Officer estima fechar 2014 com suas contas no vermelho. Entretanto, para o presidente da companhia, Ronaldo Miranda, a previsão é de que em janeiro do próximo ano, a empresa já coloque suas contas no azul.

Há nove meses no comando da distribuidora, Miranda destaca que esta reformulação interna tem o objetivo de reduzir a dependência de alguns produtos e concentrar em itens que apresentem maior lucratividade.

"A fotografia no momento não é bonita, sabemos disso, mas estaremos mais preparados para enfrentar 2015, que será um ano tão difícil quanto 2014", disse o executivo ao Valor.

De janeiro a setembro, a receita somou R$ 894,5 milhões, recuo de 9,1% sobre igual período de 2013. A distribuidora teve prejuízo de R$ 4 milhões, ante um lucro de R$ 2,4 milhões nos nove primeiros meses do ano passado. 

O plano de Miranda é retomar o crescimento ainda em janeiro, com uma projeção de receita de R$ 1,5 bilhão a R$ 1,6 bilhão no próximo ano.

A reestruturação da distribuidora, que é controlada pela Ideiasnet, envolve medidas drásticas como demissões, mudanças de processos e instalação de novos sistemas. A redução de contratos com alguns parceiros também é parte do processo.

Um exemplo disso foi o que a empresa fez com a Microsoft. Ao ver quedas na distribuição do videogame Xbox 360, que até o início de 2014 representava um quarto das receitas da empresa, a companhia decidiu reduzir o contrato com a fabricante.

"Ainda é um produto importante, mas não podemos depender tanto de uma coisa só", disse Miranda ao jornal. Atualmente a companhia tem contas de 45 fabricantes, contando com mais de 4 mil produtos em seu portfólio.

Em 2014 a empresa também fez uma emissão de debêntures de R$ 90 milhões, com prazo de pagamento de quatro anos e um ano de carência. A operação, coordenada pelo Santander e pelo Banco do Brasil, teve como objetivo consolidar as cinco linhas de crédito contratadas nos últimos anos e alongar o perfil da dívida da companhia. 

Outra estratégia adotada pela distribuidora em 2014 foi o início de suas vendas de software no modelo cloud, começando pelos seus produtos Microsoft e Adobe.

De olho nessa mudança no modo de comercialização, em junho a empresa anunciou o lançamento de uma nova plataforma de vendas, mudando para a nuvem a gestão dos contratos de suas revendas, comissionando e facilitando via web o trabalho do canal.

"A migração do modelo de vendas de software é algo que já se fala há cerca de três anos e continua crescendo. É um caminho sem volta e precisamos nos adaptar a isso", declarou Daniela Paoli, vice-presidente de Marketing da Officer.