LANÇAMENTO

Apple Watch: wearable ou luxo?

09/03/2015 16:20

O início da pré-venda do protudo será no dia 10 de abril.

Este Apple Watch custa US$ 10 mil. Foto: reprodução.

Tamanho da fonte: -A+A

Depois de anos de antecipação e uma grande expectativa em torno do mercado de wearables, a Apple anunciou oficialmente a sua investida neste segmento, revelando o seu smartwatch em evento realizado em San Francisco nesta segunda-feira, 09.

O Apple Watch entra na briga dos relógios inteligentes, em que empresas como Samsung, LG, Sony, assim como empresas de fitness já competem há mais de um ano. Entretanto, para a empresa de Cupertino, o seu primeiro wearable teve suas razões para chegar depois.

Segundo as palavras do próprio CEO da companhia, Tim Cook, o relógio chega como o "mais pessoal e avançado dispositivo que a empresa já criou". Além disso, a empresa focou no aspecto premium do produto.

Com início de pré-vendas em 10 de abril e lançamento previsto para 24 de Abril em nove países (Estados Unidos, Reino Unido, Australia, Canadá, China, França, Alemanha, Hong Kong e Japão), o produto partirá de US$ 350 em seu modelo mais modesto, podendo ir até US$ 10 mil em sua iteração mais luxuosa, que é banhada em ouro 18 quilates.

"Ele não apenas anda com você, está EM você", afirmou Cook. "Como é uma expressão de quem você é, desenvolvemos o Apple Watch para um público variado, com diferentes gostos e preferências", afirmou o CEO.

De acordo com o site norte-americano CNET, o foco no Apple Watch é uma das principais estratégias da marca para aumentar sua força além da acirrada disputa no mercado de smartphones, aproveitando o bom momento que a companhia desfruta com o sucesso do iPhone 6.

Com seu último smartphone, a companhia registrou um crescimento de 70% em suas vendas no último trimestre de 2014. Com o Watch e o Apple Pay, sua ferramenta de pagamentos eletrônicos, a companhia californiana quer capitalizar em cima deste sucesso.

Com o smartwatch, a Apple mira novos campos de atuação para empresa, como aplicações de saúde. No evento, a companhia anunciu um novo software chamado ResearchKit, com foco em fitness e monitoramento de saúde.

Além disso, o relógio também será compatível com o Apple Pay, interagindo com terminais NFC da tecnologia. Com isso, os usuários do Apple Watch nem precisam retirar o smartphone do seu bolso para pagar pelas compras. Outros recursos também foram apresentados, como a capacidade de controlar produtos como a Apple TV pelo relógio.

Mesmo com todas a parte funcional, a parte que mais salta aos olhos com o lançamento do Apple Watch é realmente seu foco no luxo, como se o produto fosse mais uma peça de joalheria do que um gadget, como a maioria de outras companhias trataram os seus lançamentos.

Segundo o Wall Street Journal, o produto tentará caminhar uma fina linha entre produtos de luxo e eletrônicos, criando diferentes tipos de expectativas do consumidores sobre qualidade, durabilidade e experiência de compra.

A Apple já tinha sugerido esta abordagem no final do ano passado, quando colocou o produto em um editorial de 14 páginas na Vogue, uma das mais respeitadas publicações de moda do mundo.

As previsões da Apple para o Watch são otimistas. De acordo com a produção encomendada com suas manufaturas na Ásia, a companhia está se preparando para vender de cinco a seis milhões de relógios apenas nos primeiros três meses de lançamento.

Fontes ligadas à Apple afirmaram ao WSJ que metade deste número será do modelo básico, e um terço da produção será dos modelos intermediários.

O total previsto pela companhia californiana está em sintonia com o número de vendas alcançado pelo último lançamento original da marca, que foi o primeiro iPad, em 2010. O tablet vendeu 7,5 milhões de unidades em seis meses de lançamento.

Caso a empresa alcance sua meta, ela facilmente se tornará a empresa mais forte no mercado de smartwatches, batendo todas as marcas concorrentes de uma única vez. Segundo a consultoria Canalys, o mercado mundial de wearables Android Wear vendidos no segundo semestre de 2014 não passa de 720 mil dispositivos.

Segundo a ABI Research, a Apple deve vender 11,8 milhões de smartwatches em 2015, contabilizando a metade de todos os wearables no mundo, incluindo pulseiras de fitness e wearables não Android.

Enquanto isso, o Google Glass...

Veja também

PREVISÃO
Gartner: wearables "imperceptíveis" no futuro

Consultoria aponta que tecnologias vestíveis estão ficando cada vez mais discretas.

OFERTA
Vivo começa a vender smartwatches

Vivo é a primeira operadora a incluir wearables em seu portfólio de produtos.

RIVAL DO GLASS
Intel: US$ 25 mi por participação no Vuzix

A fabricante de chips norte-americana parece determinada a estar na vanguarda dos wearables. 

GARTNER DIZ
Tablets: o amor acabou

Segundo analistas, aparelho deve continuar em queda no mercado global em 2015.

CURIE
Intel mostra chip do tamanho de botão

Empresa apresentou o Curie, chip que é aposta da empresa para bombar no mercado de wearables.

SAÚDE
Under Armour lança rede para fitness

Seu painel conecta usuários de wearables focados em exercícios e saúde.

E AGORA?
Google termina o Glass Explorer

Empresa anunciou uma nova fase para o produto, com o fim de seu programa de incentivo ao uso do wearable.

TENDÊNCIA
IoT pode gerar US$ 19 trilhões em dez anos

Desse total, US$ 870 bilhões virão da América Latina.