MUDANÇA

Planejamento contratará nuvem

09/03/2017 07:50

Governo contratará nuvem privada. Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

O Ministério do Planejamento prepara uma licitação para contratação de serviços de computação na nuvem no valor de R$ 16 milhões em nuvem coletiva para 40 órgãos federais.

Conforme o termo de referência que está em consulta pública, a compra coletiva deverá ser feita por pregão e na modalidade de registro de preços. 

Serão três lotes, os dois primeiros para a contratação de computação em nuvem (60% do volume no primeiro e 40% no segundo, com fornecedores diferentes) e o terceiro lote o suporte técnico, treinamento e tecnologia de gerenciamento entre as duas nuvens. 

Em julho, a secretaria de Tecnologia da Informação, do Ministério do Planejamento já havia orientado os órgãos públicos a não investirem mais em infraestrutura própria, recomendado a contratação de computação em nuvem.

O termo de referência justifica a licitação de nuvem “no atacado” citando a padronização tecnológica e a redução de custos por compra em escala.

O texto também argumenta que a medida de contratar dois provedores diferentes evita o “aprisionamento a um fornecedor” e garante a continuidade em caso de falhas. Cada uma dos vencedores deverá prover o serviços a partir de duas localidades diferentes, separadas por no mínimo 30 quilômetros.

A decisão por contratar computação em nuvem de provedores privados é mais uma mudança que o Ministério do Planejamento está executando em mais de uma década de estratégia (posta em prática com diferentes graus de convicção) dos governos petistas em relação a tecnologia.

Ainda em 2012, o Serpro, estatal federal de processamento de dados, investiu R$ 40 milhões em duplicar seu data center de Brasília, e anunciou outros R$ 180 milhões para a construção de um novo centro em São Paulo.

O conceito era que o Serpro deveria ser o provedor de computação em nuvem para o governo, como uma prolongação da estratégia de desenvolvimento interno  de tecnologia baseada em software livre visando a “independência tecnológica” frente aos grandes fornecedores multinacionais de TI.

O único ponto da doutrina anterior sobre tecnologia que permanece é a exigência de que os servidores estejam em território brasileiro sob a jurisdição do país,  o que está em linha com o que outros governos e mesmo empresas no exterior tem feito.

Veja também

ESTATAIS
Glória Guimarães assume Serpro

A executiva substitui Marcos Mazoni, que esteve à frente da empresa por nove anos.

SOFTWARE LIVRE
Futuro do Fisl corre riscos

Falta de patrocínios representa problema no médio prazo para evento.

EDITAL
Brasília prepara mega compra de Microsoft

Órgãos participantes do SISP podem manifestar o interesse em adquirir diversas soluções da empresa.

SINAIS
Serpro: aproximação com o mercado?

O Serpro e a Brasscom se uniram para promover o 1º Seminário Governo Digital.

EDUCAÇÃO
Microsoft terá centro de inovação em Curitiba

 O espaço será localizado na instituição educacional Centro Europeu.

GOVERNO
Goiás: maior data center modular da AL

Na implantação e consolidação do data center, o governo investiu cerca de R$ 10 milhões.