Christiano Lucena.

A Dell quer chegar a um total de 40% de mulheres entre seus cargos de liderança no Brasil e uma divisão meio a meio na empresa como um todo até 2030.

É difícil dizer o tamanho do desafio que isso representa, porque a Dell não abre as porcentagens atuais de mulheres, ou qualquer outra informação sobre seus funcionários no país.

(Alguns haverão de lembrar do exemplo da ex-presidente Dilma Rousseff, que não sabia quanto era a meta, mas assegurou que uma vez atingida ela deveria ser dobrada).

Seja como for, é possível supor que trata-se de um avanço significativo a ser feito em promoção de mulheres, uma vez que o prazo para atingir o objetivo é de uma década.

A companhia pretende ampliar as ações de diversidade associadas a negros, LGBTQ+ e pessoas com deficiência, bem como quer intensificar as ações de sustentabilidade, ainda que não tenha divulgado metas chamativas nesse sentido.

Como parte da estratégia para cumprir o objetivo, uma meta global da empresa, a Dell acaba de criar um Comitê de Diversidade e Inclusão no Brasil. 

O comitê trabalha para que, nos próximos dois anos, 100% dos colaboradores sejam impactados anualmente com conteúdo sobre preconceitos inconscientes, discriminação de gênero, assédio, microagressões e privilégios.

A Dell, assim como outras grandes multinacionais de tecnologia instaladas no país, já tinha grupos de funcionários internos.

No caso da Dell, são sete grupos, focados em mulheres, negros, gays, pessoas com deficiência e jovens da geração Y, além de dois grupos sem “público alvo”, focados em meio ambiente e ambiente de trabalho.

“A partir do Comitê, queremos integrar essas diversas atividades, para que juntas elas tenham um impacto ainda maior na sociedade”, ressalta Christiano Lucena, vice-presidente de Soluções para Datacenter e líder do Comitê de Diversidade e Inclusão da Dell Technologies no Brasil.

Entre as principais novidades programadas pelo Comitê está uma pesquisa interna, realizada com todos os colaboradores da Dell Technologies no país, para mapear desafios e oportunidades associados à diversidade e inclusão, criando assim um plano específico de ações para endereçar os temas e acelerar as metas até 2030 no Brasil.