Marcelo Ostia fatura R$ 100 mil ao mês com sua loja online de camisetas engraçadas. Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

Marcelo Ostia, 31 anos, pode ser visto como aquele exemplo de empreendedor que começou do zero. Morou na rua de São Paulo, viveu com R$ 4 ao dia e precisou errar para aprender.

Nem ele imaginava que hoje estaria faturando R$ 100 mil por mês vendendo camisetas com estampas bem humoradas online.

A marca Camisetas da Hora desenvolve mais de 5 mil modelos divididos em 35 categorias, como cartoon, bandas de rock, seriados de TV, games e memes.

Atualmente, a empresa tem a meta de atingir mil parcerias em sistema de micro-franquias online e já faz projeções de migrar para as lojas físicas.

Depois de iniciar como office-boy em uma empresa, Ostia passou por vários setores onde conheceu processos e descobriu que gostaria de empreender. Em sua cidade natal, Itu, comprou o primeiro computador, junto com um scanner e uma impressora, e com isso fazia cópias de documentos no próprio quarto, com atendimento a vizinhança 24 horas por dia.

"Consegui um sócio e juntos começamos a personalizar camisetas, adquirimos uma máquina Stampcor Rimaq (de estampas) e algumas camisetas. A falta de experiência não nos rendeu muito sucesso com as primeiras camisetas, mas com muita persistência aprendemos o ofício e, da garagem de casa, passamos a alugar um local mais apropriado para o comércio", conta.

Logo no começo do negócio, um calote de R$ 4,5 mil fez o novo negócio falir. Naquela mesma semana, mudou-se para São Paulo com R$ 50 no bolso, onde morou em uma vaga de estacionamento (para evitar a violência das ruas e também para não pagar diárias caras de hotel).

Vendendo camisetas em uma loja de um turco no Brás, distrito de São Paulo, Ostia percebeu que estava sobrevivendo quase como um mendigo e que queria tomar outro rumo. O "tapa na cara", como ele chama, aconteceu quando recebeu uma camiseta usada de representantes da prefeitura em uma campanha de doação de roupas para pessoas carentes.

Os planos na capital foram interrompidos quando ele soube que a namorada e atual esposa, residindo em Itu, estava grávida. Foi quando voltou ao interior disposto a ser empregado para criar a filha.

Quando voltou, conseguiu uma colocação como de auxiliar administrativo em uma fábrica. "O salário mínimo não era suficiente para sustentar mais uma integrante na família, então, para complementar a renda, voltei a fazer camisetas apesar de ter falhado na primeira tentativa", lembra.

Em 2005, Marcelo Ostia juntou R$ 300 e para montar o site que até hoje está no ar. Com desenvolvimento simples, o objetivo era expor e vendar os produtos. Por meados de 2006, o empresário e sua esposa, que hoje administra o RH da empresa, começaram a sobreviver apenas do e-commerce.

PERSPECTIVAS
Além do faturamento de R$ 100 mil, Ostia comemora a ampliação do negócio com um sistema de microfranquias e franquias físicas. "É um modelo acessível a diversos públicos que pode tornar possível o sonho de muitos novos empreendedores", diz.

O Camisetas da Hora conta com 25 colaboradores e 23 terceirizados. Sem poder acompanhar muito a criação de novos modelos - há uma equipe para isso -, ele quer dominar o mundo. E não fala brincando. "Queremos traduzir o site para inglês, abrir franqueados internacionais e ser o maior e-commerce de camisetas do mundo", afirma.

Outro objetivo é chegar ao faturamento de R$ 1 milhão por mês até os grande eventos esportivos no Brasil. Enquanto isso, o empreendedor também espalha sua história em palestras para jovens muitas vezes inexperientes como ele já foi.

"O primeiro passo é buscar planejamento e pesquisar. O dinheiro é consequência de algo bem feito. É preciso se preparar porque você vai ouvir críticas e ter medo, o que é um sinal de juízo", aconselha.

Na mesma linha de seus produtos, Marcelo Ostia dá uma dica, com humor: "Se você quiser empreender, colocando seu sonho em prática, e alguém te disser que você é maluco, tenha certeza que está no caminho certo".