Robert Swan e Christopher Powell.

Você costuma reclamar de suas viagens a trabalho? Da próxima vez, pense no CMO da Commvault, Christopher Powell, que em janeiro está indo para a Antártica, para uma caminhada de 111 quilômetros ao longo de 10 dias rumo ao Pólo Sul do planeta.

Powell participará da reta final de uma expedição mais longa comandada por Robert Swan, um explorador polar inglês. Ao todo, a expedição percorrerá mais de 1 mil quilômetros ao longo de dois meses. 

O líder do marketing da multinacional americana deve plantar a bandeira da companhia no Pólo Sul. A Commvault é a patrocinadora para gestão de dados da fundação da fundação de Swan, junto com outras marcas como Shell, Toyota, W-Foundation, Patagonia.

“Eu sei que será uma experiência que mudará minha vida. Estamos todos animados em ser parte disso e proteger os dados históricos ligados aos projetos da 2041”, comenta o CMO que vai twittar sobre a exposição no seu perfil do Twitter: @justpowell. 

Participar de uma expedição para a Antártica é mais uma tacada de Powell à frente do marketing da Commvault, empresa na qual o executivo ingressou em 2014, trazido da SAP, na qual havia passado por uma série de posições sênior na área, incluindo um período como VP para a América Latina em Buenos Aires.

Em 2015 a Commvault fez uma repaginação geral da sua marca e presença online, dentro uma estratégia de deixar de ser conhecida como uma empresa de gestão de backup de longo prazo em fitas para ter um posicionamento como uma plataforma de gestão de dados, em um mundo cada vez mais “datacêntrico”.

Parte dessa movimentação da Commvault, que surgiu dentro da gigante de telecomunicações AT&T e existe de maneira independente desde o final dos anos 90, foi começar a fazer grandes conferências de usuários.

A segunda delas, para duas mil pessoas, encerrou em Washington nesta quarta-feira, 08. Uma das atrações foi justamente uma palestra de Robert Swan, um explorador que nos anos 80 se tornou a primeira pessoa a ter ido a pé para os dois pólos do planeta.

Desde então, Swan criou a fundação 2041, dedicada à preservação da Antártica pela promoção do uso de energias renováveis (a próxima expedição será a primeira a só usar esse tipo de energia).

Ainda que a exploração polar não seja o empreendimento potencialmente mortal do começo do século passado (quando a expedição liderada por Robert Scott acabou com a morte de Scott e boa parte dos participantes, por exemplo), Powell não deve ter exatamente uma vida mole durante os seus 10 dias, caminhando por nove horas diárias em temperaturas congelantes.

“Mandar um executivo sênior mostra o comprometimento da empresa com o projeto. Mas se vocês quiserem que eu deixe ele por lá é só me avisar”, disse um bem humorado Swan durante seu keynote, arrancando risadas da platéia.

* Maurício Renner cobriu o Commvault Go! em Washington a convite da Commvault.